terça-feira, 28 de agosto de 2012

" ... São Luís olhares dos olhares, hoje's!"

Pretiando assim:
 A frase “[...] sou daquelas, que tem muita história pra contar" é  anônima, bela,  verídica e esquematiza  a rotina da  turminha de 2 Série B da Escola Anna Adelaide Bello – EBEP (Ensino Básico e Educação Profissionalizante)/ Ensino Regular (SESI/SENAI)  ao desbravar  a temática “São Luís aos olhos do mundo – um recontar turístico dessas trilhas históricas”,  que computa o construto da cidade – continente/ Ilha, seu  crescimento, desenvolvimento e ampliação social de uma época marcada pela riqueza econômica,  de  um passado que se faz ainda reluzente num olhar por ruinas-histórias-turismos que eles lutaram para e vivenciaram “matematicamente um dia de turista” entre as cidades de São Luís- Alcântara no Estado do Maranhão .
A música de Alcione que diz "todo mundo canta sua terra, eu também vou cantar a minha. [...]" representa muito bem o quê os referidos alunos buscavam ao teceram planos-ações-práticas ainda no  período de férias escolar ao ser participantes/colecionadores de  descobertas dos caminhos históricos  entre   ideia/ ações que esclarece o gostar de gostar da galera de caminhar por  achados-perdidos-encontrados, livros, pessoas, causos, lendas, poesias e outros detalhes que  sopram  em 400 anos de história da Ilha do Upoan-açu e apresentar argumentos para  descrever pelos  quatros cantos da cidade- país-mundo  ao protagonizar –planejar-concretizar ações reais  do ato de celebrar o gosto de viver por aqui.
Como diz a Marrom “[...] modesta parte seu moço minha terra é uma belezinha [...]”. Eles comprovaram as belezas se aventurando  numa  excursão atrás de ventos áureos de uma acontecido bem contemporâneo e  poetizado em “ minha terra tem beleza. Que em versos não sei dizer.  Mesmo porque não tem graça.  Só se vendo pode crer [...]”, entre  becos, ruas, escadarias, casarões, igrejas, praças, mercados, museus, etc.,  arraigados  no Centro Histórico da bela Ilha do Maranhão. E a música continua “[...]  acho bonito até o  jornaleiro a gritar imparcial.  Diário.  Olha o Globo.  Jornal do povo descobriu outro roubo [...]” também abalizado em  reminiscências encravadas em casarios, azulejos, famílias-riquezas-vidas-dramas que a terrinha guardou entre as lendas reais ou fictícias contadas  ontem e hoje,  ainda, por cá.
A sonoridade espalha que “[...] e  os meninos que vendem derrê sol a cantar.  Derrê sol derrê ê ê ê ê ê ê sol [...]” ou mesmo a loucura-louca da espera, divisão do lanche, da alegria da descoberta, da roupagem nova para o REVIVER  visto/descoberto  em conjunto,  de algo que sempre esteve na frente de todos e que ELES vieram a presenciar  por ruas e ruelas ao decifrar  em um cantarolar  que “[...]e fruta lá tem: juçara. Abricó e buriti. Tem tanja, mangaba e manga. E a gostosa sapoti [...]” e  o 2ª Ano B disposto a passear como viajante do tempo/espaço em tempo real, provaram que também têm o Guaraná Jesus que é uma riqueza daqui e ainda saíram a cantar  “[...] e o caboclo da maioba.  Vendendo bacuri [...]”,  com vídeo e 11 frases escolhidas para mostrar no  concurso “manda na lata”  o  sabor  do sonho cor de rosa que só se encontra por aqui.
“[...] Tinha tanta coisa pra falar [...]”  e desnudar caminhos que marcaram a suntuosidade, opulência de uma sociedade que petrificou sua riqueza em sobrados e janelas, passear por praças engrandecidas por palmeiras reais e imaginar  o burburinho dos transeuntes de uma época de glamour. E a melodia prossegue dizendo que “[...] e quando estava fazendo esse baião [...]” como diz nossa interprete é rememorar os passeios pelos logradouros,  os  detalhes de certas cenas imagináveis de romance-revolta-discurso politico-declamação de poesia , esmiuçar historinhas contadas aqui e ali, dar asas a imaginação sobre  uma cidade -pequena, mas de encenação  glamorosa e marcante nas páginas da história. ”[...] que quase me esqueço de dizer.  Que essa terra é tão linda é o Maranhão [...]” que ELES desencavaram através da visita -técnica pela cidade de Alcântara(MA), entre a madrugada do dia 16, dia 17 e 18 deste mês, atravessaram o mar ou saíram da Ilha de Upoan-Açu para o Continente de Ferry Boat, um desbravar sobre a  fase áurea da economia do Maranhão Imperial, seus casarões e historicidade do lugar, visitação em museus (a Base Espacial da Aeronáutica, Histórico, Do Divino Espirito Santo , matematicamente  “um dia de turista”  - entrevistando pessoas no presente para entender a historicidade e o lucro turístico de São Luís/Alcântara entre outras aventuras acrescentadas na aula de campo inesquecível  para meus amadinhos, familiares, coordenação da escola, os professores participantes, as pessoas que os receberam e a própria cidade visitada.
 De alegrias e motivação ainda estão a participar do concurso "Envie sua homenagem a São Luís para a revista São Luís 400 anos imirante.globo.com. Que todos os anos, publica um caderno especial em homenagem ao aniversário de São Luís, aqui a galerosa espera por um resultado até o dia 31.8.12. Também ainda restou fôlego  para correr atrás de uma Serenata Histórica pela ruas do Centro Histórico de São Luís, que acrescentou aprendizagem  em ações concretas, reais e permanentes do alunado. Voltemos às palavras da sambista maior da nossa terra,  que diz “[...]tinha tanta coisa pra falar  quando estava fazendo esse baião [...]”. Eu, Renata, Elcias, Airton, Alan, Amanda, Beatriz, Anderson, Emanuel, Gabriel,  Ingrid, Isabela, Jamilton, Jefferson, Jessica, Juliana. Karla, kassia, Leandro, Leonardo, Maira, Mariana, Moises, Natalia, Nazaildes, Pedro, Raissa,  Regiane, Thallisson, Wklayton, Yara,  os familiares, os patrocinadores e principalmente Deus que nos fez compreender  que  dificuldades, barreiras, obstáculos, NÃO, talvez, quem sabe são estímulos para enfrentar as adversidades,  lutar para que permanências/mudanças possam ocorrer e depende do esforço/vontade de cada um.
E continua nossa representante musical “que quase me esqueço de dizer”, que isso tudo e muito mais,  pode acontecer, principalmente quando se sonha em grupo, pois fica mais fácil aguentar  zilhões de vezes e  gritar  bem alto que sonhar junto vale muito a pena. Também a descoberta de que “[...] que essa terra é tão linda é o Maranhão [...]” , transportou-lhes por rotas reais que ajudou a descobrirem a história  do “[...] Ô Maranhão, ô Maranhão [...]”, sobretudo relacionar  teoria com as descobertas-vivências- praticas  que enriquece o processo ensino-aprendizagem do aluno. Igualmente forneceu-lhe ferramentas de luta por mudanças, valorização  e transformações reais, utilitárias, cotidianas por uma    histórica cidade quatrocentona  que aspira os espelhos da modernidade globalizante.
Irane Castro
(28.08.12)

domingo, 26 de agosto de 2012

Cafofinho da Tia Irane Castro

Pretiando assim:
Entre as escadarias, becos e casarões que a galerosa do 2 Ano visitou (04 e 05 de Julho/2012),  achou-se o Cofofinho da Tia Dica,  um restaurante localizado no Centro Histórico de São Luís (MA), nosso famoso REVIVER, que oferece comida caseira, espaço para saber da história do lugar e fotos. Essa preciosidade não poderia ficar de fora nem tão pouco Euzinha,  a estrela-maior  aproveitar  e pousar numa foto para a posterioridade  com uma baixinha invocada, sua parente e parecida com a tal. Incrivelmente, o  local foi rebatizado por Keilinha: CAFOFINHO DA TIA IRANE
Keilly Danielle Castro Praseres menor q vc Irane Castro, kkkkkk. Cafofinho da tia Irane.
Irane Castro Keilly Danielle Castro Praseres a alegria do baixinho é encontrar um mais baixo . Ai, amiga minha alegria no cafofinho da Tia Irane Castro kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Tecendo pensamentos por aqui


Pretiando assim:
Agora encontro-me curtindo um cansaço gostoso, revendo fotos do lugar de  revisitação da historica na   cidade de Alcântara (MA) -, das marcas de uma passado visto em ruínas que embelezam o presente, dos causos reais vivenciados com minha galerinha do 2ºAno B/2012  que  acrescentou um tijolo histórico  no contexto do proceso-aprendizagem da escola/do alunado e  ânimo no meu ato de professorar. Mesmo assim, as interrogações soltas na cachola precisam urgentemente de um aplicativo de restauração entre o abstrato e o concreto do meu cotidiano de forma urgentissima, pois preciso de antídoto que proteja-me contra a falta de ousadia dos OUTROS. Além de muita força de vontade para controlar minha língua, saber escutar e não revidar indiretas/deboches tais como "você é louca", "agora comprovei que tú é maluca", " Doida de pedra",  "Tú queres aparecer" entre tantas alfinetadas jogadas/sopradas durante a semana. Não quero nem pretendo  ser mais do que o outro (s).
 Oh céus!!!! faço o que gosto,  do jeito que sei fazer e assim  vou por ai inventando/recriando a  história  do  jeitinho maluquete de ser ou Histo-Irane eu SOU, brincando seriamente com o conteúdo para entender os fatos marcantes,  resignificar a disciplina . Tento lutar  diariamente para  desmistificar a faceta de não utilitária/ museu/coisa sem valor e induzir ferramentas de compreensão  de que Eu, Tú, Eles, Nós, Vós e Todos fazem parte dessa vivência  da humanidade ora como  personagem principal ora como  coadjuvante numa história  que vive em eterna ebulição, presente , real e concreta.      
Claro que depende de como cada um,  encara a vida  e  seu trabalho diariamente. Isso é individual, SOU assim, não vou e nem pretendo deixar de ensinar, com/ pelo prazer de  professorar com  gosto pelo novo, diferente e ousado. Pois, pratico do meu jeitinho irreverente de ser, de ver e lutar por um  mundo melhor. Não vim para o  mundo educacional para agradar ninguém, se torna relevante se  ministro o conteúdo a contento do alunado, se estou a cumprir as regras e a  metodologia empregada  exponho no plano de aula, cabe a escola/instituição vetar ou não. Quanto aos outros preciso de companherismo, de apoio, de me doar, de ajudar,mas também aprendir em dura aprendizagem que cada um carrega sua carga e, a minha suavizo pelo gostar de gostar sobre o que desempenho  diariamente em sala de aula-alunos-conteúdos.
Se o meu jeitinho é caso de incomodar/mexer com as estruturas de alguém desculpas é o que me resta a pedir antes de seguir meu caminho e continuar a tecer planos, reiventar e redescobrir um jeitinho novo para engolir as velhas e conhecidas histórias por aqui, ali e acolá  por zilhões de vezes amém...
Sou  e Professarei sempre assim. Gosto de gostar do meu laboratório (Sala de aula), dos meus cientistas -companheiros (alunos) e das reivenções (aulas). Não posso mudar a História. Mas, a maneira de reaprender a  discuti-la posso e devo fazer sempre!!
Irane Castro
(26.08.12)

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

"... o um sonho real ..."

Pretiando assim
Bom dia! :
Conversarias entre uma professora- mãe maluquete sai por ai a pregar por mudanças, utiliza sua sala de aula num grande laborátorio e os alunos em cientistas capazes de elaborar mudanças para o amanhã; E sua filhona-professora, Sonique Motta, uma cientista das palavras que tem no sangue a luta pelo diferente e se encontra em La Bacabal (MA).
Sonique Mota: O que andas a aprontar por ai na Ilha do amor"?
Irane Castro: Nadica de nada, por enquanto dando início a mirabolantes planos com uma turminha de gênios que topam reescrever a história do lugar, reesdescobrir lendas, ladeiras, causos, escadarias, etc, Assim a
turma do 2 ano B, está participando de 2 concursos: do Guaraná Jesus - uma frase (individual) e um vídeo de 1 minuto com o slogan "o sabor de viver no Maranhão" -Pois no Projeto 400 anos de São Luis, fiquei com essa turma e no ultimo dia de aula recebi o convite. Vc sabe a loucura que é a escola nessa data. Só conseguir marcar com a galera uma reunião no Senai (Nada de férias para os meninos (as), lá foi lido o edital, anotado ideias, avisos e horário de encontro no reviver. por isso segunda e terça feira andamos entre becos, ladeiras, escadarias,praças e igrejas. Tudo extra-classe e secreto kkkkkkkkkkkkk, para gravar que foi na praça Benedito Leite - Pedro Veloso e Isabela Carvalho protagonizaram um casal enamorado a partir da latinha de refrigerante. e moises sendo o Guia turista mostrando o hoje e no pensamento uma cena do passado. Ainda esta em fazse de edição. O mesmo passeio e as fotos sservirá para contar a história de São Luis (individualmente) para o Fotopoesia um edital que Flavia Pessoa enviou para nós duas) e com essas fotos depois camos fazer 1 video de para o Curta Brasil (recebi o convite ontem). Imagina os meninos de pergunta em pergunta, pose para a foto que irá para o face. subimos ladeiras, visitamos igrejas, praças, controlar o medo de assalto e uma galera afoita e nada na cabeça além de enfrentar a chuva e ansiedade doos mesmos é e o que deu para ser feito em 2 dias. E ainda tentar chantageá- los para não postar as fotos. Segundo eles só as não comprometodoras - não denuncie a atividade kkkkkkkkkkkkkkk.
Não resistir em escrever umas bobagens e tentando omitir umas informações.
Proximo passeio te convido, estou querendo ir em Alcantara topas, proxima segunda-feira - sem alunos ou apenas um pequeno grupo ainda estou pensando, devido a responsabilidade.
Irane Castro (01.07.12)
Presentemente, os acontecimentos relatas acima de planos sonhadores passaram a realidade, pois ocorreu a produção do Vídeo "o sabor de viver no Maranhão", mais não foi classificado. No entanto, 11 alunos foram classificados na 2 etapa do concurso comemorativo dos 400 anos da cidade de São Luís e, desde o dia 12.08 seus nomes e frase  estão circulando nas latinhas do Guaraná Jesus, inclusive  maluquete da professora.
Outro feito concretizado foi a visita -técnica para Alcântara que ocorreu entre a madrugada do dia 16, dia 17 e 18 deste mês, atravessar o mar ou sair da Ilha de Upoan-Açu para o Continente de Ferry Boat, aula sobre a  fase aurea da economia do Maranhão Imperial, seus casarões e historicidade do lugar, visitação em museus como o da Base Espacial da Aerounautica Brasileira, entre outras aventuras acrescentadas na aula de campo inesquecivel  para meus amadinhos, familiares, coordenação da escola, a própria cidade visitada e as pessoas que os receberam e os professores participantes (Renata Feques, Elcias Silva e euzinha).
Ontem a expectativa do ultimo dia da inscrição do concurso "Envie sua homenagem à São Luís para a revista São Luís 400 anos imirante.globo.com. Que todos os anos, publica um caderno especial em homenagem ao aniversário de São Luís. Aqui a galerosa espera por um resultado e Hoje, 22.08 uma Serenata Histórica pela ruas do Centro Histórico de São Luis.
Aprendir que  dificuldades, barreiras, obstáculos, NÃO, talvez, quem sabe são estimulos para enfrentar as adversidades e lutar para que permanências e mudanças possam ocorrer.Isso tudo pode acontecer, principalmente quando se sonha em grupo, pois fica mais fácil aguentar e  zilhões de de vezes gritar  bem alto e sempre que sonhar junto vale muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito a pena, Vai sempre acrescentar aprendizagem  em ações concretas, reais e permanentes do alunado.
Irane Castro (22.08.12)
.

[...]recupero a saúde ou vou sair daqui morto. [...] pensamentos reflexivos de alguém que utiliza os serviços de um hospital público/privado por aíiiiiiii

Pretiando assim
 Fui no hospital ontem, uma dor de cabeça forte. A doutora me "consultou" em menos de 30 segundos e me passou uma injeção. Na aplicação, a enfermeira lê e diz à outra:
-Colega, que porra é essa aqui?
-Ah, mermã, sei não. Eu acho que é uma dipirona (e virou pra mim:). Tu tem alergia à dipirona, esse menino? Tem não? Pois dá a dipirona pra ele, sá minina.
Eu consenti silenciosamente, bestializado.
Aplicada a injeção, quando eu ainda tava saindo da enfermaria, pude ouvir a enfermeira dizer à outra:
-Inã, colega, essa vagabunda dessa médica tem que aprender a escrever. Com esses garrancho e a gente der remédio errado pra esse povo e morrer gente, a culpa ainda é nossa.
 Obrigado Deus, vivo estou, screvendo essa postagem!!
Irane Castro Triste realidade do povo brasileiro!!



João Henrique Azevedo nunca lerei isso tudo... só lamento.
Paulo Henrique Queiroz e ainda nos pedem votos, Irane... vergonhosamente.

Irane Castro Infelizmente o povo prefere acreditar em "Alice e o país das maravilhas" e ser enganado. E o pior de tudo são os candidatos que exploram esse viés da mil maravilhas, continuam a mentir/enganar/roubar e por seculos amém não vão fazer nada e ser colocado no poder para ganhar dinheiro fácil. Isso tudo pq o povo quer continuar a ser enganado, principalmente quando repetem a célebre frase "ruim com esse(a), pior sem ele(a) como ouvir hoje de umas tais que esculhambaram a funcionária pela lentidão no atendimento hospitalar público.,mas não para pensar no seu voto que vai distrubuir  para o parente de quem dirige ou parente do  dono do Hospital. Continuo a afirmar que conhecimento, mudanças e  concientização de querer tudo isso, é o início de um novo começo  e oportunidade de acabar com a herança de propagação,  de apoderaremento do dinheiro público e da politicagem reinante de norte a sul   e que caso não sejam eliminadas vão continuar por zilhões de anos a impor  regras de massificação para pessoas como Eu Tú,Ele, Nós e TODOS em terras brasilis.
Irane Castro (22.08.12)

domingo, 19 de agosto de 2012

Galerosa do 2 Ano B em Alcântara (MA)

Pretiando assim
Alcântara querida ai está a galerosa do 2 Ano B/2012.
Obs: o fardamento completo foi dificil de usar devido o calor de doer até o cérebro, ai foi preciso improvisar o uso da camisa-padrão como cartão de referência que os meus amadinhos-curicos respresentaram a escola. — em Alcântara.
  VISITA- TÉCNICA -


Foto
desencavando, perguntando sobre


Foto

os fatos marcantes


Foto

de um distante explendor econômico


Foto

Também indagando


Foto

 entrevistando pessoas


Foto

no presente para entender

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

"...a nega querida!"

Pretiando assim:

Day Silva: sem contar que hoje eu saí catando lixo na escola. E o povo: "Meu Deus, daiane, louca".
Convenhamos, não sinto vergonha disso. E olha que me testaram falando que "Duvido tu ir pegar aquele saco de lixo ali". Eu fui lá e peguei.
Mas ora e veja! Se meu projeto é sobre reciclagem das garrafas pets, em especial as garrafas do Guaraná Jesus, eu lá vou ter vergonha de sair catando garrafa? Pois eu fiz muito foi chegar pras pessoas e dizer: "Quando terminar de tomar o refrir me dá a garrafa, tá *-*?".
Tudo em prol da reciclagem e de um mundo melhor. (E meus pontos no projeto São Luís, 400 anos u.u)DETALHE: AINDA DISSERAM - "ESSA AI NÃO NEGA SER PARENTE DE Irane Castro". 
Tá vendo preta? O povo é saliente desse jeito mesmo. Rumhum. — com Irane Castro.
Cassandra Cardoso e quem cata só pra jogar no lixo mesm
Irane Castro Day Silva, ser guerreira pelo que se quer, faz muita diferença, pois muitos desistem na primeira dificuldade. Parabéns minha sobrinha/filha, PARENTE qualquer coisa do meu coração, fico aqui estufando de orgulho de tú minha neguinha!!
Day Silva KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Aí Jesus. Assim ela me mata. E vamos para a coleta de lixo aos sábados (Duvido que alguém vá comigo, povo morre de medo!)
Obrigada mãe irane *-*

Irane Castro Brigado minha filhona linda. Se precisar de ajuda é só pedir S.O.S. negróide, do sangue, da raça, do amor!! bjus!!"
Irane Castro
Beco da Preta
São Luís-Maranhão


domingo, 12 de agosto de 2012

[...] minha mente vai se transformando numa oficina de costura, catando, ouvindo, idealizando e preenchendo os espaços de reacriação mirabolantes

Pretiando assim
Desde criança, sentia-me DIFERENTE, não compreendida pelas crianças que convivia e nem tão pouco pelos adultos  diante dos tantos porques que pulavam da minha boca, para tentar preencher das lacunas do meu cérebro que reclamavam por justificativas. Ouvir  tantos "CALA A BOCA" que escutei, jogou-me diretamente  no precípicios da timidez e como escape  a criação de amigos invisiveis, de  empreender  grandiosas  viagens- imaginárias quando ouvia as histórinhas que impulsionava idéias/ invenções para melhorar o mundo que me cercava.
Penso que essas invencionices infantis, foram meus  reais companheiros e também muro protetor do meu mundo imáginário que criei para tentar entender "o ser  viajante, sonhadora de olhos abertos e alienigena que era". E  que  minha salvação, começou com o domínio da leitura e  que com ela comecei a mergulhar nos livros, ater um passaporte concreto para meu mundo individual  com   habitantes marcantes entre reis e rainhas, primcipe e princesas, bruxas (os), guerreiros, heróis/heroinas, aventureiros, mocinhos (as) e vilões.
 Inicialmente, isso tudo  me assustou. Mas, com o tempo fui encontrando o processo de como adquirir conhecimentos, degerir a informação, processar aprendizagem e deixar brotar   as estratégias de lapidação das invenções existentes, ajudou-me a enfrentar o mundo e seu ritmo acelerado de novidades, invenções, idéias, pessoas e coisas.
KARAMBOLAS. CARACOLOLES, hoje percebo que pouca coisa mudou, continuo a sentir o "pulsar do  ser diferente" que habita mo meu corpo/mente   e que  vai se transformando numa oficina de costura, catando, ouvindo, idealizando e preenchendo os espaços de reacriação  mirabolantes. 
Agora não procuro caminhos para descobrir quem é esse monstro, Apenas, solto as amarras e deixo-o livre e tento conciliar regras de convivência, de espaço, de tempo, de querer e de amizade entre nós. Enquanto a trégua permanece,  me resta Histor-Irane por ai, ali e acolá do jeitinho maluquete de ser,  ver/ouvir, reinventar o processo que urge pelo novo, mesmo quando apenas uma roupagem transvestidas de ontem possibilita alguns pensar que acabaram de inventar a roda.
Irane  

Pai, tú és e sempre será meu tudo!

Pretiando assim:
Hoje, "dia dos Pais", as lágrimas muito cedo vieram lembrando o ESPAÇO DA SAUDADE, das recordações e dos grandes momentos compartilhados entre brincadeiras, brigas, algazarras familiares, disputas de jogos, comilanças,  invenções e convivência harmoniosa. 
Pai,  és e será SEMPRE o meu tudo, como:
- Um ser de luz que direcionou o meu caminho com muito amor;
_ Enfeitou minha vida com cores, coragem  e força para enfrentar as histórias reais - como caso quando  perdi minha mãe;
_ Experienciou meu crescer de bebê-menina-mulher com sorrisos ou lágrimas de um pai-mãe;
_Muitas vezes fui rebelde, briguenta, defensora do mundo, não me fazia entender por atitudes de independência, dona do nariz e do mundo e VOCÊ com palavras meigas, paciência me fez enxergar que não era dona da razão e pouco sabia da ação de VIVER COTIDIANAMENTE e assim:
 _ Impulsionou-me na busca de conhecimento como  bússula orientadora pelo mundo;
_  Ensinou-me  a manter diariamente responsabilidades pelo que assumir;
_ Mostrou-me como ganhar uma batalha diária com perseverância, justificativas e  a arte de escutar o OUTRO;
_ Apontou-me o direcionamento do dialogo para entender,  administrar  e resolver problemas da vida;
_ Me fez acreditar na fé como instrumento da minha  superação  individual e  nos estudo/livros como força para vencer as barreiras criadas pelo homem/natureza.
E a tua benevolência, PACIÊNCIA, AMIZADE, AMOR e PALAVRAS DE CARINHO que distribuiu igualmente entre teus filhos de sangue, adotados e  todos aqueles (as) que usavam dessa  tua sabedoria, me fez apreender sobre o equilibrio de vida, instrumento  necessário para enfrentar   as pessoas, as situações-problemas, vitórias/derrotas e principalmente o mundo.
Direi sempre que:
Foi meu Super herói, Super Pai-mãe de todas os momentos!
                            Será sempre meu  Super herói e agradeço ao SENHOR a oportunidade de ter tido os seus ensinamentos  que engrandeceu os meus dias com a praticiadade de um Super Pai-Mãe/mãe-pai.
 És meu Super herói e sinto através das lições fraternais o gostinho de Super Pai-mãe na minha da vida real!
Ou simplesmente o  amor de pai-filha ou  filho-mãe como vc dizia quando ficou mais velho "que a ordem  foi invertida e passou a ser meu filho mais velho"  continuará eternamente eterno: TE AMO PAI, és um amor presente e  real para recordar SEMPRE!!!
Irane Castro (12.08.12)

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

[...]orgulho de ser ludovicense, de respirar sua história que encanta com a vivência antiga/nova num acrescimo de história - mudanças, permanências, carências e excessos [...]

Pretiando assim:
Foto: Daqui a 1 mês, São Luís completa 400 anos. 
Compartilhe essa imagem se você tem muito orgulho de fazer parte da história dessa cidade!Sou apaixanoda  por ti São Luís, ainda mais, pela parte antiga da cidade - Centro Histórico - por sua magia e encantos mil visto/empregnado entre ruas, becos, escadarias, ladeiras, casarões, Igrejas entre outros detalhes que insinua a história da cidade.Aqui têm problemas como em qualquer lugar encontrados nos demais espaços da terrinha brasilis. Serão resolvidos quando os cidadãos tiverem consciência politica, entender que responsabilidade é ter respeito pelo público, saber cobrar das autoridades, ter conhecimento e usá-lo com criticidade  entre outras coisitas.
Enquanto naõ acontece de vez, continuo a  manter o orgulho de ser ludovicense, de respirar sua história que encanta com a vivência antiga/nova num acrescimo de história -  permanências e permanências, carências e excessos - de encantar pelo sabor de ser maranhense e degustar com o gosto do Guaraná cor de rosa que só se encontra por cá.
Faço parte dessa comemoração: sou da terrinha e minha emoção está em contagem regressiva 1,2,3,4,5....para  que chegue logo o dia 12 de Agosto e ver meu nome/frase na latinha comemorativa da festança dos 400 anos de São Luis.
Irane (09.08.12)

terça-feira, 7 de agosto de 2012

"...ah ,Caetano domina a arte de brincar com as palavras!"

Pretiando assim:
"Alguma coisa acontece no meu coração. Eu, digo que experiencio a vida e my coração é o grande laboratório.
Que só quando cruza a Ipiranga e Av. São João. Vou afirmando que pode ser um bairro e avenida qualquer;
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi.  Estou a indagar o que não comprendo no mundo/pessoas e porque e por que de tudo vive a me fascinar ali e aqui.
Da dura poesia concreta de tuas esquinas. Vivo a questonar com rimas/palavras/poesias para entender as ruas, becos e ladeiras da vida.
Da deselegância discreta de tuas meninas. Com minha timidez de menina  vou acrescentando volume nas lutas por direitos/conhecimentos e crescimento de uma mulher;
[...]
Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto, mau gosto. A criticidade é minha companheira na busca de respostas.
É que Narciso acha feio o que não é espelho. Vou por destoando  a quebrar regras do meu Eu pelo belo que existe em cada  pessoa.
E à mente apavora o que ainda não é mesmo velho.  A inocência de criança que ainda reina em mim  autoriza-me a não ver o velho de antyiguidade/ultrapassado que impregna em muitos por ai...
Nada do que não era antes quando não somos mutantes.
E foste um difícil começo.
Afasto o que não conheço.
E quem vem de outro sonho feliz de cidade
Aprende depressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso [...]
(Sampa - Caetano veloso)
Felicidades pra Tú
Irane Castro
(07/08/12)












Eu gosto do impossível,
tenho medo do provável,
dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade,
mas nem sempre tenho motivo.
Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança por trás dele.

Sou inconstante e talvez imprevisível.
Não gosto de rotina.

Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso,
e me irrito de forma inexplicável quando não botam fé nas minhas palavras.
Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo.
São poucas as pessoas pra quem eu me explico...

Bob Marley