sexta-feira, 31 de outubro de 2014

" Outubro, femenino rosa!!


“Outubro rosa, uma peleja feminina de si amar, si cuidar e si valorizar  aqui, ali e acolá  no hoje e sempre!!"
Irane Castro.
Beco da Preta
Sexta-feira, 31.10.14
São Luís- Maranhão



 



quinta-feira, 30 de outubro de 2014

" .. espaço e direitos no hoje!


“Por cá, desgostada pela ocorrência dum episódio lamentável que  bateu à minha porta. Drama legítimo ocorrido as dezessete horas (horário local), que incidiu quando  liguei para o mercadinho que trabalha com  tele-entrega e, perguntei  qual  a possibilidade de  pedido-entrega?
O atendente proferiu um sim,  avisando-me que no momento teria que esperar, pois  não tinha pessoa disponível  e anotou de má vontade  o endereço - tudo dito, em  palavras grosseiras como se eu estivesse incomodando.
Compreendi  uma  voz que  soou diferente – não era conhecida. Outra vez, refiz a pergunta e recebi uma resposta positiva.
Ocupada com outros afazeres  aguardei  o suficiente.  Uma hora de aguardo. Regressei a transação telefônica, a jovem de voz distinguida, anotou e menos de 5 minutos foi  trazido pelo   entregador de voz arrogante,  desconhecido e  vestido com a farda.  Fiquei apreensiva, por não conhecê-lo,  o  porteiro  acompanhou e subiu para entregar umas correspondências e disse-me que ele era novato, mas já tinha presenciado seu dia de trabalho por diversas vezes.  No entanto, o funcionário foi mal educado  e tratou-me como se tivesse forçando-o a  trabalhar fora do seu horário de expediente.
Paguei, ele foi embora.
Lembrei que nunca tive problemas, todas as entregas, desde que cheguei nesse bairro sempre me atenderam  com presteza, além de  dignificam o recinto e a  proprietária que conheço, a muito tempo.
No entanto, ao abrir as sacolas deparo-me  com algumas frutas estragadas, perplexa com tamanho absurdo, outra vez,  disquei para reclamar e segundo a auxiliar, a troca  seria em menos de  10 minutos que se transformou numa chateação polemizada.
Nada. Ansiei. Conferi zilhões de vontade de não estressar.
Do mesmo modo, telefonei  e por coincidência o jovem que veio até minha residência, de forma debochada,  disse-me: que ‘era para ficar com as frutas, que estavam em boas condições de uso’. Educadamente, respondi-lhe que precisavam ser trocadas.... Ele desligou na minha cara.
Ainda, ponderando a dramática cena e controlando  a  raiva  acumulada pós-15 ligações dentre liga/ desliga, a  décima sexta, alguém atendeu dizendo-me que não faria a troca. Sei que arrebentou a zanga,  contrapus ‘última chance  de vocês concertarem o erro, ou seja,  frutas novas ou a devolução do meu dinheiro. Escolham?
O outro lado da linha silenciou -. Apenas,  ouviu  a minha falação em tom esbravejado, onde afirmei que ia  parti para dialogar  direto com a Dona do estabelecimento. Inda, prestarei queixa  na delegacia pelo desrespeito para com uma idosa-deficiente,   preconceito de um funcionário raivoso  e amanhã irei até o PROCON pela enganação de mercadorias, pois tenho nota fiscal,  fotos e testemunhas.
Num passe da mágica, a situação se resolveu, o dinheiro foi devolvido e  solicitação de desculpas.
Cá com meus botões, imaginando  o tamanho da minha cara de lerda para tentarem me enganar com pequenos detalhes que macula a honradez de um cidadão.
Até quando,  o desrespeito pela idade e deficiência  serão presente.
É muita palha assada, torrada, queimada.
Comigo NÃO.
Pondero. Reclamo e não aceito ser ludibriada nem tão pouco  humilhada pelo caminho.
Sou gente!
Sou eu do meu jeitinho Irane de ser – maluquete e irreverente  de pelejar  por meu espaço e direitos  no hoje, imediatamente!”
Irane Castro
Beco da Preta
Quinta-feira, 30.10.14
São Luís- Maranhão


















 

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

".. sou passo hoje's!!


“Cada passo sozinha ou acompanhada de irmãos, parentes, amigos, filhos, netos, amor meu, conhecidos e desconhecido parto   vezes sofrível outras sorrindo vida.
Leva-me  pelo caminho de caminhante do caminho caminhado  no agora:
_ de ser gente:
_de ser feliz;
_ de ser  honesta ;
_ de ser  fé;
_ de ser esperança;
_ de ser  peleja;
_   de ser menina-mulher;
_ de ser guerreira;
_ de ser briguenta;
_de ser paz;
_ de ser carinho;
_ de ser questionadora;
_ de ser equilíbrio;
_ de ser mãezona;
_ de ser livre;
_ de ser agradecimento;
_ de ser tudo;   
_de ser nada.
Somente sou eu em vontades de recomeçar o jeitinho Irane de ser – maluquete e irreverente, num de reescrevinhamento do  que  me permito  no meu mundinho infinitamente particular de ir além da coletividade urbana nos  hoje’s, imediatamente!”
Irane Castro
Beco da Preta
Segunda-feira, 27-10-14
São Luís _ Maranhão

 
 

 

domingo, 26 de outubro de 2014

"... andarilhando instante's!"


“Peço-te apenas, agradecimentos por frequente andarilhando instante’s.
Ao mesmo tempo, vontades de florescer  passos e caminhos do hoje's -  dentro e fora de mim, imediatamente!"
Irane Castro.
Beco da Preta.
Domingo, 26-10-14
São Luís- Maranhão




 

".. outros, tantos nada's!"


"....outros, tudo dentro de tantos nadas!”
Irane Castro.
Beco da Preta.
Domingo, 26-10-14
São Luís- Maranhão



 

".. LITERALMENTE culpa das estrelas!"


“...aqui, choro em palavras a continuidade do nada,  numa  propagação do lema ‘todos inocentes’. Simplesmente, muito esquecimento  e oportunizamento de  tantos mais atos, aplausos e farras  pelos brasis dividido por índice de pobre e ricos, norte e sul, famintos e bem alimentados.
A partir dessa dicotomia  agora,  ratificação de que  TUDO será culpa e/ou favorecimento  das estrelas, LITERALMENTE.
Quantas cegueiras mais, sobre os problemas iguais, massacrantes e massacráveis  no imenso Brasil.
Até quando?
A realidade dói e continuará machucando  pelo vermelho influente  numa negrume de agonias, medos e lágrimas tão presentes em terras brasilis.
Minha neutralidade é definida  pela certeza de coisa nenhuma nova. Nenhuma mudança, amplas permanências e tapumes ali e acolá do país de faz de conta.
Francamente, almejo que  esse aforismo seja negativo. Que o tempo modifique-o e as praticas autênticas  advenha logo na certeza que vale a pena essa continuidade. De tal modo, possa me retratar em palavreamento e, pedir desculpas por essa dúvida,  do hoje.”
Irane Castro
Beco da Preta.
Domingo, 26-10-14
São Luís- Maranhão




 

"enfeitar recomeços!!"


" Por cá, já que reinvento, reescrevo, reconto, refaço e reinicio  o passo pelo caminho de caminhante do instante,  experimentando  a fase de  uma Quixote de saia, literalmente.  
De tal maneira que, em meio a sonhos, devaneio e delírios  de inovações prosseguindo na ação de continuar aproveitando e chacoteando do jeitinho Irane de ser - maluquete e irreverente de tecer loucuras-loucas, e:
_  de criar um mundinho infinitamente particular;
_  de cavoucar outro olhar diferente;
_ de enfeitar novos recomeços.
Novamente,  espalhar vontades  a cada dia, imediatamente!"
Irane Castro
IN:  24-10-2014
Beco da Preta.
Domingo, 26-10-14
São Luís- Maranhão



 

sábado, 25 de outubro de 2014

"... outra manhã chegando!!"


" ... outra amanhã chegando.
Apenas seja luz, fé, , esperança, paz e bem no caminho do eu de mim, hoje!"
 Irane Castro.
Irane Castro.
Beco da Preta
Sábado, 25-10-14
São Luís- Maranhão


"Lá vou eu, agora....!"


" Lá vou eu, agora:
 - caminhando;
_ agradecendo;
_ aplaudindo;
 - Orando;
 - vivendo;
_ reescrevendo;
- recontando;
_ recolorindo;
 _ refazendo;
_ recomeçando.
  Em tantas mais, vontade de continuar  sorrindo hoje's- mais uma vez, sempre! "
 Irane Castro.
Beco da Preta
Sábado, 25-10-14
São Luís- Maranhão


"... inté, gordices!"


“Incido em parte integrante  da categoria de   mulher gordinha, baixinha (1,54cm) que abarca a profundidade de um olhar, de uma palavra e  de aquinhoar  dores sobre a balança, que acrescenta não somente peso. Mas, senti na pele atos preconceituosos de outrem, ali e acolá do instante.
 Asilei dramático fato triste, autêntico e persistente no meu mundinho, escrevinhando meu grito em silêncio. Destarte, de simples e sincera palestraria com as problemáticas reais e massacrantes,  que vivencio  em mim.  Por isso,  que  seja unilateral transformei  em bilateral – eu e as palavras, no seguinte estilo:
Ah!  Dona gordura que chegou pra me visitar, não marcou data de partida.  Alongou-se   tão dadivosa  que aos poucos implantou seu assinalado feitio   na  rotina, em espantosa pança e  nem ficou percebida que sua estadia decompôs  a morada , tais como:
_  superlotou armário de cozinha;
_ entupiu geladeira;
_bagunçou  guarda-roupa;
_ espaçou cansaço físico;
_ prolongou  insônia;
_ separou sapatos;
_ acendeu medicações;
_ desligou coragem;
_ germinou preguiça;
_ arrotou mau humor;
_ acalorou cama;
_ anestesiou vontades;
_ desuniu palavreamento;
_aumentou barriga;
_ somou peso;
_ desprendeu tudo;
_ colheu nada.
Diante de enfastiadas e tediosas piadinhas sobre a prolongada permanência de cursa moradora, impeli  desmedida  pausa para ações reflexivas com o espelho e a visitante - espaçamento da  deformidade corporal, falta de vestimentas, mil e uma dobrinhas acumuladas e apavoreis.
Do mesmo modo, parei para uma abreviação da temporada da querida hóspede, com táticas de boa vizinhança:
_ Primeiramente, deliberei em mim, uma separação amigável;
_ Depois, mapeei turnês clínicas, intimidantes diagnóstico, incorporação de medicação, zilhões de não pode isso/aquilo e  comedimento   psicológico, de modo que não permaneça    ensandecida pela profundidade dessa chegança lipídica;
Pós-excursões, novamente, causei  uma conversaria com  a moradora, disse-lhes,  ‘não estou  expulsando-lhe, apenas, fornecendo ferramentas para que possa conscientizar-se  que  tua prolongada permanência por cá, apresenta  infelizes consequências para o meu espaço tão melítrico (sobrepeso, cansaço, inchaço, depressão, pressão alta e psicológica entre outras coisitas)’.
Ao mesmo tempo, discorri acordos e medidas paliativas para que caminhemos  em solução  para  separação sem ressentimento, sem atropelamentos e sem vexames;
_ Aos poucos, apreende-se afastamento,  necessidade  e enfretamento de cavidades individuais e  preparação de mudanças para outros espaços;
Cabe, paciência, coragem e fé para afrontar pesos e medidas ajeitadas para o término dessa  relação no meio  do meu eu e as banhas.  Tanto que pedi  carinhosamente que a  convive me escutou.  Porquanto, a minha casa-corpo estar ficando pequena, menos quilos (tiquito),  experimentando destrezas físicas-mentais  e correndo para uma lapidação de um novo arranjo corpóreo.
 Muitas Gracitas, agora que acolhemos aspirações ajustadas e exercitadas  com constância  de acordos implantados em meio a dietas, exercícios físicos-mentais  numa finalidade coesa e marcante de um dia dizer ‘inté, gordices’ dentro do eu  mim, no meu hoje – imediatamente!!”
Beco da Preta
Sábado, 25-10-14
São Luís- Maranhão



 


 


 


 



  


 



  


 


 

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

" ...eu, Quixote de saia!!!"


Grande Miguel de Cervantes a  excursão pela Espanha, século XVII  é uma rica realização literária.  Lá, descobri uma orbe imaginária que igualmente,  ansiava a  vivência  dentre os cultives dos castelos, cavalaria, jogos, lutas, romances, e outras coisitas mais, que norteia o medievo sem ruptura na Idade Moderna.  Sei que suavizei a curiosidade pelo mundo quixotesco, investigativo e elucidaste fatos históricos  para melhoramento  e  compreensão da passagem de uma época silenciada, atemorizante, novelesca e divertida.
Revivi as permanências, regras e cobranças impostas pela fase da politica-religiosa medieval   que  aprisionava pelo medo, pecado, salvação,  inferno. Cobrança de impostos e, principalmente, pela  proibição da educação e rasgamento de cidadania,  que  deixava as pessoas em combates consigo mesmo. Enfoques  inexplicáveis, incontestáveis e implantadas    na   fase de modernidade,  no reino de Felipe II, Monarca Absolutista, católico,  da caça pelo ouro (expansão marítima, descoberta  e exploração da América) além disso, a propagação de detalhes da Contrarreforma (inquisição, lista de livros proibidos-index)
A cabeça Quixotiana recontou pela estrada a fora, em belíssimos devaneio uma critica a situação real do espaço espanhol.  Transcrevo os detalhes para o instante, nada de novo, apenas a reinvenção do mandar/obedecer que impele batalhas entre o ser humano versus poder.
 De tal modo, que  pós-modernidade a fase presente, aqui e ali, incidem particularizes  desses avelhantados regulamentos vivenciadas em permanências/ mudanças de coisa nenhuma.
O engraçado  da leitura é estranhamente,   me sentindo  uma Quixote  de saia, literalmente. Já que, reinvento, reescrevo, reconto a história com loucuras-loucas de um olhar diferente e pratico de  outros recomeços. Tanto que:
_ Sou personagem...
 _ Sou heroína...
_   Sou vilã ..
_ Sou bruxa...
_ Sou mocinha....
_ Sou guerra
_Sou questionadora...
_ Sou malvada....
_ Sou boazinha...
_ Sou brincalhona...
_Sou chorona...
_Sou briguenta...
_ Sou sincera...
_ Sou sonhadora...
_Sou realista..
_ Sou fé...
_Sou poetisa....
_ Sou tudo..
_ Sou nada.
Nessa tarefa, vou andarilhando por aqui, ali e acolá porque  acredito que a paz, começa em cada um.  Também,  confio no melhoramento dum espaço subjetivo como ponte para construção  de um mundo melhor. Até, permitindo, a necessidade de erguer  meu mundinho infinitamente particular de lutar, fazer e propagar primeiramente dentro do eu de mim  e assim conquistar o meu interior para  universo.
Por isso, trago comigo,  a frase ‘vencer um dia de cada vez’, não é  minha, é do grupo de A.A. (Alcoólicos Anônimos), nem tão pouco uma  bêbeda. Apenas, copiei por sentir que se deve correr atrás de seus sonhos    em realidade e de estabelecer, praticar e usufruir de  metas pro agora.
 De tal modo, como o lunático-realístico  Quixote,   elaborei um  jeitinho Irane de  ser – maluquete e irreverente de caminhar o caminho de caminhante do caminho caminhado no descobrimento de novo passo, nova aventura, nova  historíola, novo palavreamento e novas vontades de prosseguir a  busca de   mudanças e estratégias   de participar, driblar e vencer  a vida com armadura de alegria e  esperança.
Tanto que aprendi nessa batalha cotidiana, a inventar  atitudes  de respeitar  meu eu e   os outros, que  vale como tática para adquirir  força   contra  inimigos visíveis e invisíveis  do planeta terra.
Do mesmo modo, a fé  é a proteção  mais eficazes  nesse combate - independente do que dizem, eu  acredito , sinto, agradeço a presença de um Supremo.  Além disso,  chorando em sorrisos,  vou-me curando as dores, as dificuldades  e valorizando  minha  individualidade,  o  humano pelo que é e não pelos bens matérias.
 Peço força, coragem e sabedoria  para  o céu, a lua, a chuva, ao vento, as estrelas e  ao mundo   para não anular  o direito do sonhar grudado na minha cabeça, que meu coração continue a espalhar amor, paz, luz e bem para assim, anular as atrocidades humanas  e florejar sempre  vontades de ser gente, hoje – imediatamente!”
Irane Castro
SL, 23.10.14











  



"..ainda, reiventar-me hoje!!


"... quero ainda, reinventar-me para colori o caminho do meu hoje!"
Irane Castro.
Beco da Preta
In: 23.10.14
Sexta-feira, 24-10-2014
São Luís- Maranhão


quinta-feira, 23 de outubro de 2014

"....hoje's em mim!"



"... .quero vontades de agradecendo tudo do agora.
Em caminho de fé d'outro amanhã, em hoje's em mim - pra já! "
Irane Castro
Beco da Preta
In: Quarta-feira, 22.20.14
Sexta-feira, 23-10-2014


".... tão agredecida!"


"....tão agradecida pelo viver d'outro hoje!"
Irane Castro
Beco da Preta
In: Quarta-feira, 22.20.14
Sexta-feira, 23-10-2014

Eu gosto do impossível,
tenho medo do provável,
dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade,
mas nem sempre tenho motivo.
Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança por trás dele.

Sou inconstante e talvez imprevisível.
Não gosto de rotina.

Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso,
e me irrito de forma inexplicável quando não botam fé nas minhas palavras.
Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo.
São poucas as pessoas pra quem eu me explico...

Bob Marley