quinta-feira, 31 de outubro de 2013

"Drummondiando o tempo do nada ...."

"O eu de mim, Drummondiando o tempo do nada e do tudo do meu agora".
(111 anos de encantar em palavras).
Irane Castro.
Quinta-feira, 31-10-2013
São Luís - Maranhão.




quarta-feira, 30 de outubro de 2013

"...chora na estrada."

Pretiando assim:

“...a criança que fui chora na estrada. 
Deixei-a ali quando vim ser quem sou. 
Mas hoje, vendo que o que sou é nada.
Quero ir buscar quem fui onde ficou.” {Fernando Pessoa}
Irane Castro.
Quarta-feira, 30-10-2013
São luís-Maranhão

"...em terra brasilis todos somos mendigos, a cada dia"

"Senhor Politico, a sua triste opinião 'mendigos deviam virar comida de peixe, negros são preguiçosos, etc. (http://www.geledes.org.br/racismo-preconceito/racismo-no-brasil/21732-sobre-os-mendigos-que-deviam-virar-racao-pra-peixe-e-os-negros-preguiçosos).' clareia sua digníssima postura negativa. Entenda que a luta pela sobrevivência, o medo da morte, o desrespeito pelo tudo e pelo nada do cotidiano  transforma e apregoa que em terra brasilis todos somos mendigos,   implorantes de politicas públicas eficientes, a cada dia. Sabia, que esta é uma de suas tarefas como parlamentar e de  muitos que esqueceram m para que foram eleitos.
  Entenda,  nenhuma desculpa apagará as palavras de uma mente preconceituosa e que infelizmente ocupa esse cargo pelo número de mendigos quer de condições financeiras, quer de condições intelectuais, quer de condições sociais assomadas a preguicite de pensar a consequência de seu voto  alimentador de  tais aberrações politiqueiras e ainda, os engordam literalmente com o dinheiro público."
Foto: (http://www.geledes.org.br/racismo-preconceito/racismo-no-brasil/21732-sobre-os-mendigos-que-deviam-virar-racao-pra-peixe-e-os-negros-preguiçosos)
"Senhor Politico, a sua triste opinião 'mendigos deviam virar comida de peixe, negros são preguiçosos, etc.' clareia sua digníssima postura negativa. Entenda que  a  luta pela sobrevivência, o medo da morte, o desrespeito pelo tudo e o nada do  cotidiano transforma todos os brasileiros em mendigos, que imploram por politicas públicas eficientes - uma das suas tarefas como parlamentar e de muitos que esquecem para que foram eleitos.
Sabe, nenhuma desculpa apagará as palavras de uma mente preconceituosa e que infelizmente ocupa esse cargo pelo número de mendigos quer de condições financeiras, quer de condições intelectuais, quer de condições sociais assomadas a preguicite de pensar a consequência de seu voto que alimenta tais aberrações politicas e ainda, os engordam literalmente com o dinheiro público."
 Irane Castro.
Irane Castro.
Quarta-feira, 30-10-2013
São luís- Maranhão.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

"... sou ninguém e daí?"


"O movimento  informacional apresenta a volúpia de um filme de terror real em terra brasilis. Nele sinto a desvalorização da vida retratada em cenas horripilantes, atrocidades caprichadas, requintes de crueldade, motivo vil, disputa por um poder massacrável,  mascaramento de  um  escancaro  e aprofundamento de   dores alheias  que sobrecarrego individualmente.
Por cá, o   ato de nascer  pontua a penalidade de ser  periférica de si mesmo, condenada sem direito a julgamento e ainda sentenciada  a morte por ser gente. Vejo, as punições  dos inquisitores legais/ilegais aflorada no vento e no tempo para todo aquele cidadão incutido numa presente-real-massacrante problemática de ir bovinamente  (crianças-jovens-adultos-idosos), para  covas rasas em cemitérios e, enterrar em vida familiares  perante tantas calamidades apadrinhadas pela cegueira da justiça-injustiça.
Marcante o não saber a quem pedir ajuda, para que lado olhar e nem mesmo apagar o desanimo diante de uma pergunta dolorosamente escutada,  nunca mais apagada '- Senhor, por que o senhor atirou em mim…' frase drasticamente sambada  num ritmo fúnebre  pelos lábios  de Douglas Rodrigues , 17 anos (26/10, São Paulo), se repetiu com Jean (outro anônimo avacalhado em marginal), O marido de uma policial , ex-jogador decapitado (29/10) e tantos  incógnitos que aumentam a lista de mortos por    bairros enlouquecidos pelos terror, cidades sem  lei e direcionamento, da ausência de politicas públicas, do excesso  de não-prática da democracia -   que  é guardada numa moldura sem serventia-   e grandes explicações de autoridades que  ninguém entende direito.
E ainda, não explica nada, Mas, mostra o tudo da gravidade populacional vivenciado numa eliminação assombradora, onde o povo é  escolhido, enjaulado  e massacrado como se fosse animais em matadouros nacionais.
A imposição  cotidiana  de  um massacre humano gera no eu de mim, o aceleramento  de sentimentos como  tristeza, raiva, lágrimas, medo, gritos  abafados  pelo   rasgamento de direitos a vida, pela vida e com vida  de cada um. 
O propagar de movimentos  reivindicatórios carregados de violência, destruição, roubalheira não justificável contrabalanceada por  ações de repressão  exagerada de uma  guerra invisível-visualmente condizente para  desafiantes e desafiadores, opressores e oprimidos  caminhantes de estradas diferentes,  comandadas pela 'lei do mais forte' ou 'lei de quem manda no pedaço' que operam  regras de obedecer, calar, sofrer e ainda espelhar  ditaduras oficiais.
A contextualização do aqui em  palavras  silenciadas, de berrar a minha fragilidade, de espelhar que sou ninguém, de não ser importante no mundo. Mas, o jeitinho Irane de ser  - maluquete e irreverente, sendo criatura  de loucuras,  por falar  dessa  indignação  que corrói minha alma, acelera  as batidas do meu coração,  mostra o nervosismo  de  mãos-pés trêmulas por qualquer motivo. Afora, a expressão de excessivo medo pela próxima atrocidade e querer ainda encontrar entendimentos da perda humana nessa batalha realística e cruelmente abominável. 
A cada agora teimosamente e  constantemente dentre as minhas limitações,  ainda quero  vontades de recomeçar a  pelejar  por um dia melhor, a cada agora - imediatamente."
 Irane Castro
Terça-feira, 29-10-2013
São Luís- Maranhão. 

sábado, 26 de outubro de 2013

" Tapajós brisando outras andanças ..."

 
"A partida é inevitável para todos, a alma um ponto de luz para muitos E tantos a entender a pergunta sem resposta e procurando aceitar. Igualmente, por cá sou um reverenciar a Paulinho Tapajós que voou como um passarinho.Mas, a presença do seu canto será  eternizado pelo incentivo   de peregrinações pela catação de si mesmo que diz ‘vim tanta areia andei. {...}. Vagando em verso eu vim {...}'  numa   poesia real para justificar o caminhar do tudo e do nada da  pessoa do eu de mim.
 Inda diz ‘no passo da estrada só faço andar’ para  desvendar o caminho de  pelejas pela vida, em vida e com vida.  
Meu caro, voe  por ai.  Que sua melodia-ensinamentos prossiga  brisando outras andanças num  lindo  ecoar de palavras realísticas, em vozes-cores de uma poesia-musical  que orienta o  esperançar  do recomeçar o momento possível de viver o ser feliz.
Tanto que  embutiu no vento    que cabe praticar diariamente o ensinamento que 'só o amor me ensina onde vou chegar’ ainda,  colhendo saudade de si mesmo do ontem em hoje’s de permanências em mudanças de outras amanhãs, no agora sempre."
Irane Castro
Sábado, 26-10-2013
São Luís- Maranhão
 

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

sábado, 19 de outubro de 2013

"Sou, nem mais nem menos gente...."

Pretiando assim:
" Aprendi  pelo caminho de caminhante do caminho caminhado ir florejando as dores dos ontens em hoje's de sorrisos. 
Composição esta que simplesmente  é o tudo e o nada de  vontades de recomeçar ainda o tempo de ter tempo de esperançar  o jeitinho Irane de ser -maluquete e  irreverente, de ir reescrevendo novas historíolas da pessoa  que sou, nem mais nem menos gente.
Mas, aquela que reinventa sonhos-planos-vidas-voltas-realidades de inicios-meios-fins com  particularidades de um olhar:
_ de pelejar o mundo, a cada segundo;
_ de enxugar as lágrimas, a cada instante;
 _ de alicerçar os sorrisos,  a cada hora;
_ de falar os silêncios, a cada minuto;
_ de   calar em palavras, a cada dia.
Inda, espelhar a permissão de ser feliz em outros amanhãs dentro eu de mim, a cada agora, ..."
Irane Castro.
Sábado, 19-10-2013
São Luís- Maranhão

"Viniciando meu hoje... ♫♫♫"

"Por cá, o eu de mim, Viniciando meu hoje... ♫♫♫"
Irane Castro.
Sábado, 19-10-2013
São Luís- Maranhão 



quinta-feira, 17 de outubro de 2013

"... reconstruí tempos de viver o agora's!"



"... os segundos somam minutos que acrescem em horas que culmina num dia  multiplicado na semana e resplandece em meses, anos, séculos, milênios de historiar o universo.
Reafirmada composição,  dilatou o humano    por   trilhas de vida, dramas, pelejas, alegrias, etc., que chacoalha a vivência individual/coletiva. No entanto,  sinto que aos poucos, os ventos do tempo endurecem  o ser humano, apodrecem a realidade e enlameiam a sociedade a cada instante.
Mais, inda têm jeito.
Nesse esforço, sei que  uns  lutaram/venceram, outros  vencidos, muitos desistiram,  aqueles que nem se esforçaram e os demais que continuam a guerrear os ontens  de dores em hoje's de esperançar uma explosão de um mundo melhor.
Também, fico mais entristecida  pelas situações-problemas que assomam o individuo de querer ser gente: onde montes perderam a vontade de contornar as permanências em mudanças  para controlar tantas aberrações cotidianas.
Igualmente é perceptível o som  gritante  do  malefício social-politico-humano-injustiças-corrupções    que se propagam pelos quatros cantos do mundo e  situação bem presente, em minha terra brasilis.  E,   dói   na pele-coração-mente-ouvidos devido a contaminação  das dores alheias em lágrimas minhas que  acumuladas em  excesso de desrespeito-desvalorização-avacalhamento-desmoralização-desumanização e palhaçamento humano.
Acredito que a sociedade carece de novos tudo e novos nada para  aparte além de si mesmo buscar tentáculos de renovação além de espantar mesmo que bem devagarinho para longe do eu de mim, a negatividade.
De tal modo,  todos os dias cortejo  a possibilidade de florejamento do caminho de caminhante do caminho caminhado  de outros recomeçar dentro de mim, para   ir reconstruindo ainda, tempos de viver   espelhando paz, espalhando amor, soprando  o bem, dançando a  positividade e  semeando outros amanhãs, no agora - imediatamente."
Irane Castro
Quinta-feira, 17-10-2013
São Luís- Maranhão.
 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

"Tatuando outros amanhãs..."

 
"Tatuando  dentro do eu de mim, uma lição cravejada de esperançar que  a vida tem sempre um ritmo diferente.
inda, vale apena ainda florejar o tudo e o nada de outros amanhãs, agora!!"
Irane Castro
Quarta-feira, 16-10-2013
 

 

"Regando a manhã do meu hoje"

"O eu de mim mais uma vez, enxugando as lágrimas de ontens em hoje's numa  reconstrução de vontades  para recomeçar  o agora.
Dentro de mim, inda regando  a manhã do meu hoje de  querer a felicidade como companheira no espaço de labutas diárias, pra já."
Irane Castro
Quarta-feira, 16-12013  


 
 

terça-feira, 15 de outubro de 2013

"... pelejas rotineiras de fazer hoje's."

Pretiando assim:
"...aqui, nesse dia comemorativo maturando a  saudade, louvação,  copiação e propagação do encantamento das reminiscências professorais  incutidas como ações salvatórias dentro eu de mim, quando:
 _ Aprendi na infância a estrelar os meus dias  de menina triste-solitária-doentia a cada dia;
_ Recriei uma supermenina de alegrias que vivia o tempo de  novas historíolas, a cada dia;
Pintei silabas  escrevinhadas,  enfeitadas e acrescentadas de vontades de pelejar o meu mundinho  a cada dia;
_ Soletrei as  lições espelhadas no jeitinho de ensinar da minha Tia-madrinha-professora a cada dia;
__ Impeli o mundo mágico das letras, a cada dia;
 _ Apresentei o poder imaginário das leituras, sendo  descobridora infantil de  como-onde-porque-quando pelo conhecimento, a cada dia;
Parti  em viagens intermináveis da leitura num redesenhar do eu de mim em palavras, a cada dia; 
Pois,  todo ensinamento serviu de base para as ações de educadora que  sai a labutar novas maneiras de ensinar, cotidianamente.
Triste estou diante das dicotômicas situações do processo de ensino-aprendizagem e  da contínua  falta de respeito para com  a profissão.
Destarte, dói saber que professorar são pelejas rotineiras de fazer hoje's em  sonhos impossíveis  para vencer o destrato, a falta de recursos, a intensa  luta por salários dignos e reconhecimento profissional  em  anos luz amém.
Ah, já que as leis não fazem efeito nem tão pouco sentido, ainda penso numa formula fosse possível para deixar acontecer respeito e valoração ao educador em terra brasilis.
Por enquanto, a minha única alegria é que meus queridos crescem, seguem em frente e encontram caminhos de crescimento profissional. 
Ou aqueles que se perdem na procura de horizontes, salvo que um dia  achem alguém que lhes transforme o caminhar, como outrora fui beneficiada.
No agora as  muitas lembranças marcantes  dos ontens me faz pensar que a vida era  tão mais simples. Mas, continuo acreditando em outros amanhãs de possibilidades de recriar oportunidades de vivenciar premências em mudanças, imediatamente".
Irane Castro
Terça-feira,13-10-2013
São Luís- Maranhão

'...ainda, semeando dias melhores"




"Quero no eu de mim, dentre o  ali e acolá pelo caminho de caminhante do caminho caminhado entre pelejas de vida, em vida e pela vida, ainda sai  semeando dias melhores, como canta o Jota Quest, assim:
'Vivemos esperando.
Dias melhores.
Dias de paz.
Dias a mais.
Dias que não deixaremos para trás.
Vivemos esperando.
O dia em que seremos melhores.
Melhores no amor.
Melhores na dor.
Melhores em tudo...'
 E o eu de mim, por cá ainda, querendo outras MELHORES aceitações sobre :
_ As muitas indagações sem respostas;
_ Os  muitos espaços sem preenchimentos;
_ As várias ausências acrescidas sem proposito;
_ As grandes  perdas de vida por motivos vil;
 _ O tanto de desvalorização o ser humano;
_ O grau de  falta de respeito para com o outro;
- O maciço   excesso de  medos e angustias rotineiras que batem a minha porta.
Vivo a espera de fazer acontecer vontades de recomeçar o AGORA em tempo de ter tempo de viver  a melhora do tudo e do nada de ser feliz, ainda hoje"
Irane Castro
Terça-feira, 13-10-2013
São Luís- Maranhão.
.

".. educador se e move gente, por aí!""

“... vivas ao educador. Aquele (a) quer valorizado ou não, quer respeitado ou não, quer bem remunerado ou não, quer em condições de trabalho ou não, quer com segurança ou não  vai aprendendo a ampliar o processo de ensino-aprendizagem a cada dia.
Num  ato   celebrado em palavras de Paulo Freire que diz, 'me movo como educador, porque, primeiro, me movo como gente'. De tal modo, gente que é e, persiste e insiste   numa árdua caminhada pelo caminho de caminhante do caminho caminhado de ensinar gente's a depurar as ferramentas de  transformação em gente de criar fórmulas para viver o ser gente.
Mesmo que, muitas vezes, em lágrimas vestidas de sorrisos; em carências destiladas em ansejo de perpetuação positivas para o educando aprender a   driblar a estrada de profissional.
Igualmente, costura as dores individuais  como linhas que bordam lindos tapetes  de ontens num hoje's de querer vontades de  florejar o tudo e o nada no assistir às lapidante jóias raras que cerceiam a sala de aula, no agoras!
Irane Castro
Beco da Preta
São Luís-Maranhão.

"...me sentindo um peixinho triste."



Foto: "Me sentindo um peixinho triste. 
Inda bem que águas se renovam, lavam as dores do momento, clareiam no instante seguinte  o tudo e o nada decorrentes da peleja de ser gente e de cultivar o olhar límpido para nadar   o  horizonte de crescimento  de outros caminhos de ser feliz,  no agora "
Irane Castro.
"O eu de mim, hoje me sentindo um peixinho triste.
Inda bem que minhas lágrimas desaguam  por ai. Assim como os rios, essas águas se renovam, lavam as dores do momento, clareiam o instante seguinte  de pelejas por um tudo e um nada  de ser gente  que  cultiva o olhar límpido para nadar o horizonte de crescimento de outros caminhos de ser feliz, no agora "

Irane Castro.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

"O meu agora de realidades..."

"Até quando o  eu de mim, vai enxugando lágrimas minhas misturadas as dores alheias espalhadas em feridas do meu agora de realidades sem respostas.
Careço criar um tempo para ter  tempo de  ainda  recriar dentro de mim, as possibilidades concretas  de recomeçar a esperançar outras pelejas de paz,,fazer acontecer  permanências em mudanças do tudo e do nada  de ser gente de vida, em vida e com vida no hoje, pra já. ."
Irane Castro
Segunda-feira, 14-10-2013
São Luís- Maranhão.
 

"... semeando vontades, no agora"


 
Quero ainda que o eu de mim, saia aqui e ali semeando  vontades de recomeçar a esperançar o tudo e o nada no tempo de um mundo melhor no agora, imediatamente.... “Irane Castro.
Segunda-feira, 14-10-2013
São luís-Maranhão

 

sábado, 12 de outubro de 2013

"... esquadrinhando novos hoje's."



"Por cá, palavreando  as lembranças de ontens da  menina  sobrevivente das dificuldades de ser criança cheia dores, falta de saúde, dificuldades financeira, ausências familiares e  uma magreza cadavérica que assomavam nos medos  das ações  vivenciadas numa  curiosidade infantil presente e marcante que expunha-me a indagações  urgentes sobre o espaço desconhecido além da minha porta.
No entanto, poucas oportunidades de respostas para o que-como-onde-porque existiram e  indo, escutando 'um cala boca' que deixou acréscimos de  timidez massacrante dentro do eu de mim. 
Também, achei-me abençoada com uma fada-madrinha real (professora da escola particular, como se dizia na minha época de criança), que  ensinava todos as crianças do bairro numa praticidade de ensinar, encantar  e enfeitar com leituras e brincadeiras o mundinho de cada um.
Igualmente, adotada, acarinhada e incentivada a encontrar  através da alfabetização precoce   o  parcelamento de entendimentos para as  eternas perguntas-dúvidas-descobrimento  através das letras. 
Cedo passei a ser viajante em palavras,  engolidora de páginas,  desbravadora de aventuras literárias, escrevente de momentos vividos e imagináveis,  de reinventar  um cantinho  próprio  que saia  colorindo outros inicios-meios-fins  para as minhas historíolas.
Dilatei O gosto pela leitura.
Desenhei o escrevinhar de minhas lágrimas em sorrisos  num  contorno  crescido  para combater  pela vida, em vida e com vida. 
Construir  uma fortaleza apreendida que serviu de baluarte para ser gente de garra.
Ainda,  fui esquadrinhando novos hoje's de permanências em  mudanças   apinhadas de vontades   florejantes de semear conhecimento pelo caminho de caminhante do caminho caminhado, num pelejar   de vontades  para recomeçar  o meu agora, a cada dia - imediatamente  "Foto
Irane Castro
Sábado, 12-10-2013
São Luís- Maranhão

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

"..... hoje, Ilha do medo"




Foto: " Senhores (as)   responsáveis  pela a governança do Estado do Maranhão,  BOATOS são as  propagandas enganosas sobre a segurança pública, educação, saúde de qualidade entre muitos detalhes que precisam de ajustamentos  de politicas públicas condizentes com a terrinha. 
Caríssimos, o   pavor é real. O  povo pode até pode  aumentar, mais inventar fica impossível. A população ludovicence vive  o retrato da  insegurança -  até bem pouco, vista de longe. Hoje, batendo a porta,  descaracterizando aos poucos a Ilha do amor em Ilha do medo que  é aterrorizada pelos quatro cantos e  a todo momento pela possibilidade de ser assaltada (o), assassinada (o), estuprada (o), sequestrada (o) num perder de vida  por um quase nada e  por um tudo da falta de respeito para com o cidadão.
Até quando  medidas sem significância vão ser exposta e prevalecer sob as dores de um povo sem vez e sem voz??
Irane Castro.

"São Luís do Maranhão paralisou total em pavor assombroso pela bandidagem denominada de Bondes dos 40 e outras facções rivais que tocaram a morte, fuga em massa no presidio de Pedrinhas e espalhando o terror pela cidade, num arrastão generalizado que levou ao  fechamento de escolas, comércio, universidades, indústrias, etc.. Ainda,  paralisando o transito e alarmando famílias e a cidade inteira.
Me dar arrepios até agora, pensar a situação vivida em sala de aula de conformar, acalmar e passar um pouco de segurança para meu alunado, quando o eu de mim, sentia vontade de gritar 'quem vai me proteger diante dessa loucura estourada na cidade?'.
Depois de muita conversa, e aos poucos liberação dos alunos conforme cada responsável vinha buscar. Tinha os dependentes de ônibus (que a muito tinha se recolhido) que conseguimos carona, fretamento de vans para entregar a meninada.
Aos poucos, foram encaminhados para casa, o turno vespertino suspensa as aulas e ao meio- dia, sem resposta para o buraco preocupante, chega a triste notícia televisiva- internet que as autoridades afirmavam que  era  apenas boatos.
Karacoles- PQP- FDP's entendam que  a minha indignação é tamanha, digo-lhes: "Senhores (as) responsáveis pela a governança do Estado do Maranhão, BOATOS são as propagandas enganosas sobre a segurança pública, educação, saúde de qualidade entre muitos detalhes que precisam de ajustamentos de politicas públicas condizentes com a terrinha.
Caríssimos, o pavor é real.
O povo pode até pode aumentar, mais inventar fica impossível.
A população ludovicence vive o retrato da insegurança - até bem pouco em ontens não redimidas, vista de longe em hoje's de insegurança que bate a porta todo instante.
A descaracterização da Ilha do Amor em Ilha do medo é corrente, marcante e  aos poucos sendo aterrorizada pelos quatro cantos. Além de que, a todo momento a vivência da  possibilidade de ser assaltada (o), assassinada (o), estuprada (o), sequestrada (o) num perder de vida, por um quase nada e por um tudo, pela  falta de respeito para com o cidadão.
Até quando medidas sem significância vão ser exposta e prevalecer sob as dores de um povo sem vez e sem voz??
Até quando, o povo-servo vão ficar submetido a eternos senhores feudais, coronéis, mafiosos, chefes de bondes 40,-50-60-70 anos luz?
Até quando o povo que manifesta será calado?
Até quando o povo sofrido continuará na mesmice de eleger  representantes sem escrúpulos, interessados apenas  em  enriquecer com o dinheiro público?
Até quando o povo vai ser fudido,  a cada dia?
 Irane Castro.
Quinta-feira, 10-10-2013
São luís_ Maranhão


 


 

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

"... a dona do eu de mim."


"Sou-me aquela que diz poesias palavreadas, florejantes e esperançadas do tudo e do nada  pelo  caminho de caminhante do caminho caminhado de ser gente de pelejas em ontens de lágrimas em hoje's de sorrisos.
Espalhando a luminosidade e por ser dona do eu de mim saio espalhando coragem de viver ainda em tempo de ter tempo de ser feliz no tempo do tempo do agora, imediatamente."
Irane Castro
Quarta-feira, 09-10-2013
São luís- Maranhão.
 

"... saudosa dos meus ontens"



"O eu de mim, medrosa diante do tudo  do nada  a cada instante.
Vivo  saudosa  dos  meus ontens."
Irane Castro
Quarta-feira, 09-10-2013
São Luís- Maranhão.

"... cultivando o meu agora"

"Vou-me por ai, cultivando o tudo e o nada de ainda recomeçar o  ser  gente de esperançar a felicidade no meu agora, imediatamente."
Irane Castro
Quarta-feira, 09-10-2013
São Luís- Maranhão

"...improviso das lágrimas o meu sorriso....


 O eu de mim   dentre as dores de  ontens em hoje's de permanências em mudanças vou-me  florejando o tudo e o nada das    lágrimas que  nublam meu sorriso,  em improviso das lágrimas do meu sorriso para afrontar o tempo do agora, imediatamente"
Irane Castro
Quarta-feira, 09-10-2013
 
 

"... abuse a vida!"



 " O eu de mim em lições cotidianas aprendi que carece que se abuse a vida para  recomeçar a ser feliz no agora, pra já"
Irane Castro
Quarta-feira, 09-10-2013
São Luís- Maranhão


 

"Rescrevendo o instante"




"O eu de mim espalha o  jeitinho Irane de ser - maluquete e irreverente  de sair  entre as dores de ontens e os hoje's de aprendizagens  resperançando, reconstruindo, remusicando, reinventando recolorindo e reescrevendo  o tudo e o nada,  pelo instante e pelo caminho feitos de agoras. Abusando a vida, em vida e com vida  aqui, ali e acolá o ser feliz,  a cada dia"
Irane Castro
Quarta-feira, 09-10-2013
São Luís- Maranhão




Eu gosto do impossível,
tenho medo do provável,
dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade,
mas nem sempre tenho motivo.
Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança por trás dele.

Sou inconstante e talvez imprevisível.
Não gosto de rotina.

Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso,
e me irrito de forma inexplicável quando não botam fé nas minhas palavras.
Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo.
São poucas as pessoas pra quem eu me explico...

Bob Marley