quinta-feira, 25 de agosto de 2011

APRENDER SEMPRE!

Viver é díficil, conviver é mais ainda. A cada instante a certeza se confirma que ainda preciso aprender a aprender a conviver em grupo, respeitar os limites do outro e acima de tudo fazer valer o  respeito por my space.
Assim, tento superar os obstáculos diários,  agradecendo  a força de luta que ainda me resta para  organizar meu cantinho de gente com as cores que me convém.
Percebo que a vida se apresenta como uma grande orquestra, é preciso decifrar as notas para aprender a música, a melodia, o ritmo individualmente, constantemente e calorosamente para tentar harmonizar com o grupo.
Igualmente, preciso me afinar com o mundo, os lugares e pessoas a cada instante. Vejo-me como um ser alienigena , uma maluca viajante, uma sonhadora sem limites, uma louca por mudanças ou simplesmente uma forasteirao do tempo/espaço que nao se enquadra nas regras pré-estabelecidas.
As vezes me faço de tança, lerda, retardada, esquizofrenica, doida-varrida para entender o mundo, as pessoas e a vida.
I... (25.08.11)

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Uma cebola que virou tomate na aula de História

Era uma vez....
Durante  a ação de  descobrir a  vida de Vargas, enfrentamentos e reliquias para a História ,  além de suportar  o calor infernal (ar condicionado com defeito), só uma brincadeirinha de leve daqui e dali  com a galera sobre as  pegações da semana - ou seja, quem ta -  quem quer ou fica só na vontade de ser peguete, torna-se INTERRESANTE até demais.
 A aula se torna  HILARIANTE com as declarações de PEGAÇÃO e INTENÇÕES ou quem ficou com querm ou ta a fim de ficar. Coitado de Vargas, o pai dos pobres (tema da aula), mesmo sendo um otimo estrategista, autoritário e discplinador, penso que nao saberia lidar com essa galera que afirma em bom TOM, primeiro PEGA, prova e testa  para ver se serve para namorar,  a fila anda mais rápido que pensamento ou simplesmente que namorar é coisa do passado. Aí a aula continua e alguém solta que "cebola é apaixonado pela menina mais bela das belas" e os danados   insistem para que EU provoque, tento fazer-me de surda. No entanto,  sinto uma vontade louca de fzer picadinho dessa bendita cebola pois, pela milessima vez chamo a atenção do bendido que não cala a boca um segundo.  Surge a oportunidade, aiiiiiiiií me vingo, dizendo "Cebola, por favor, a bela  ta pedindo para vc calar a boca", a turma desaba em palmas, risos e segundo as palavras de Gabriel Castro: Hoje foi a única vez que vi uma Cebola virar tomate :/ como Irane Castro e Yasmim Brenha são malvadas rapá,haha'.
Nesse episódio lembrei da Elke Maravilha num certo programa afirmou "sou velha mais não desatualizada" Agora sim, concordo plenamente com o sentido da frase, pois também estou envelhecendo, aprendendo mais uma lição com eles para não ficar desatualizada. E assim aqui, tem um ponto de espera para ver o que acontece depois..
Irane (17.08.11)


domingo, 14 de agosto de 2011

O mundo da Preta

Aqui


 Me perco e 

me acho diarimente.


 
O cheiro do papel



 
é um convite constante


para passear, descobrir, investigar
o mundo encantado da leitura

100 FIEL
Cá heróis

















mocinhos

Bandidos ou vilões

convivem em harmonia

no meu mundo particular.
E assim, respiro livros , papéis, idéias e invenções - diariamente, constatemente e urgentemente.
Irane (15.08.11)

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

"... chá de SEMANCOL em hoje's!"

“... Keilly Danielle Castro Prazeres: Que país é esse? Juíza, mãe, mulher e pulso forte c/ a bandidagem é barbaramente assassinada com 21 tiros. Gente aonde vai parar desse jeito?
Irane Castro: No Brasil daqui a pouco vai ser necessário pedir permissão para a bandidagem para os honestos sobreviverem.
Lembrei dessa preciosidade da Legião Urbana,  que responde a esse momento: "Que País é Esse? Nas favelas, no senado Sujeira pra todo lado. Ninguém respeita a constituição. Mas todos acreditam no futuro da nação. [...].Que país é esse?. [...]". É uma música cantada, propagada por  várias  gerações e  um hino de  uma realidade marcante, cruel, e vivenciada nessa terra Brasilis.
Igualmente, "Que país é esse? [...]". Indagação que faço  cada vez que  a  TV, o jornal, o rádio, a  revista e a  internet  entre tantas notícias  apresentam,  + UMA VERGONHA NACIONAL como a que "a juíza Patrícia Acioli tinha 47 anos, foi morta quando chegava em sua casa, em Niterói" ou "Horas antes de ser morta, juíza decretou a prisão de oito PM’s-  acusados de homicídio contra jovem de 18 anos [...]".
De  tal modo, "[...] Manchando os papéis, documentos fiéis [...]", onde cresce uma indignação por essas mazelas sociais ou  quando "[...] Ao descanso do patrão [...]" a saúde estar mal,  a EDUCAÇÃO é uma esculhambação,  é real o salário de fome do trabalhador e o ABSURDO dos absurdo, o  dinheiro que ganham os politequé - sucessivas ações de corrupção, desvio do dinheiro público e abusivas remunerações -  a falta de liberdade e o   medo constante (assalto, morte, sequestro, extorsão, abuso sexual, etc.).
Volto ao refrão: "[...] Piada no exterior" [...]" quando os noticiários todos os dias, apontam que  o dinheiro do IPTU, IPVA e IP-CAMBÁUS que se paga suadamente vai parar em cuecas, bolsos, contas fantasmas, paraísos fiscais e muito mais. 
Ou "[...] Vamos faturar um milhão [...]", porque ser político-bandido ou bandido-  político, Policia-bandido e/ou bandido - policia nessa terra sem lei é a via mais rápida para o estrelato, viver a cada segundo a onda de querer se dar bem e nem  ter sua imagem maculada. "[...] Quando vendermos todas as almas [...]", que aqui, são comercializadas e violentadas  lenta, constantemente. "[...] Mas, o Brasil vai ficar rico" [...]" com a labuta do indivíduo honesto,  alimentador desse  faroeste (Estado falido) e se o cidadão brasileiro (a)  reclamar da  guerrilha urbana,  lutar por VERDADE/JUSTIÇA pode ser silenciado a qualquer instante. Enfim, para pontuar minha aversão a esta DITADURA DA VIOLÊNCIA - social, política, segurança, saúde, educação, econômica e religiosa e  conclamar o ESTADO de DIREITO permanente,  escrevo palavras (des)conexas para entender "Que país é esse?" de  bandidos, corruptos  e vilões do asfalto e/ou favela que faz a população  refém da violência desenfreada, da impunidade exacerbada, do abuso de poder, tantos detalhes que  atemoriza  e   envergonha  a cada instante essa nação.
 Irane (12.0811)



Meu Pai querido, um amor para recordar SEMPRE!!!

PAI, o amor que sinto por ti é imenso, a saudade dói, as lágrimas caem ao recordar:
- A tua voz, chamando minha filha ou o teu abraço carinhoso  que sinto falta diariamente;
- A paciencia característica da tua  pessoa  que me induz  a enfrentar a vida com sapiencia;
- A mansidão do teu olhar,  me faz encarar com dignidade as prolemáticas diárias;
 - O teu equilíbrio  emocional até nas horas de aperreio é um aprendizado total.
Aqui, as lágrimas caem ao querer um braço fraternal e escutar vc dizer "filha, estou aqui junto a ti e/ ou conta comigo". Igualmente, as palavras de afeto e/ou aquele beijo de "cheguei minha filha, vamos orar que tudo isso passa". Queria cá, teu colo para me sentir fortalecida. Mas, tenho que ser forte e aprender que o chamado do SENHOR e  tua missão junto a ele é prioritária.
Cá me resta lembrar que Dia dos e/ou  horas, minutos, segundos do PAI é sempre. Para você, continuo  a dizer  a frase "eu te amo" por toda a minha vida pai querido, um  AMOR PARA RECORDAR, pois esse amor  é o meu alimento, balsamo e direcionamento constante.
Irane (12.08.11)

Deixamos de notar tantas alegrias, tantos tesouros escondidos, quando corremos de um lado para outro, de uma pessoa para outra, de uma experiência para a seguinte, sem nos determos em nada. Tudo o que importa está diante de nós neste momento. E não vamos percorrer esse caminho outra vez.
Temos apenas esta vida para viver, e cada dia é uma benção.
“Quando me detenho o suficiente para sentir o perfume das rosas, costumo ver a beleza e tudo o mais que temos para desfrutar.
(Anonimo)

sábado, 6 de agosto de 2011

"O que me faz ser semelhante ou diferente nesse mundo de iguais?"


"Aí, pensar demais às vezes cansa. Aqui, o eu de mim  dando bolas  ao tudo e o nada do tudo e o nada  em  detalhes de ações rotineiras,  com base em  reflexões sobre diferenças e semelhanças.
O que me faz ser diferente nesse mundo de iguais?
O que me torna igual no seio dos diferentes?
Não sei explicar tamanha lacuna.
Pergunto cá, ali e acolá, nada a declarar.
Assim, estou em constante ebulição, aproveito cada segundo de vida como se fosse o último e o momento presente como se não houvesse o amanhã.
Sempre estou na luta de permanências em mudanças - pra já
Agora, pensando cá com os botões  e  as palavras (des)conexas que  não sou estranha, sou normalmente aceitável pelas anormalidades de cada um, mas tive que ajustar a janela dos meus olhos  para desenhar uma  diferente paisagem nas condições debeladas no meu permanecer de viajadora de temporada e desvairada do espaço no sempre que rotula ali  e acolá, pois quero apenas  um  mundo melhor.”
Irane Castro
06.07.2011
 






sexta-feira, 5 de agosto de 2011

PHODA-SE sozinho ou acompanhado!!

Palavra que resume a  vontade contida de explodir, deixar o caldo entornar como dizia  minha vózinha. Um ressoar de angústias repisadas que anuviariam com essa tradução. Foda-se,  aos problemas diários, as angustias presentes e as incertezas permanentes.
PHODA - SE sozinho ou acompanhado:
-  Quem e/ou que persiste em apurrinhar a paciência;
- Quem e/ou que  atrasa a vida dos outros;
- Quem e/ou o que  procura ser meter na relação de alguém;
 - Quem e/ou que esquece de viver a sua vida;
 - Quem e/ou que pisa as pesoas;
 - Quem e/ou que  se corrompe diariamente;
 - Quem e/ou que não se solidariza com o irmão;
Vontade de estampar um PHODA-SE para tudo que prejudica o Eu, Tú, Nós e Eles.
I....  


Eu gosto do impossível,
tenho medo do provável,
dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade,
mas nem sempre tenho motivo.
Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança por trás dele.

Sou inconstante e talvez imprevisível.
Não gosto de rotina.

Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso,
e me irrito de forma inexplicável quando não botam fé nas minhas palavras.
Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo.
São poucas as pessoas pra quem eu me explico...

Bob Marley