terça-feira, 30 de junho de 2015

"... aclamações à vida!!"

“ ...sol, mar, céu e imaginação de um mundo melhor. Ainda, permite-me a recriação de tantos
 pretextos  para  existência, agradecimento e aclamações de vida, dentro do eu de mim, no meu hoje”
Irane Castro
Fotografia: Sandro Lopes
Beco da Preta.
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão



" Selfie de Kaio Castro!"

Pretiando assim:

“Kaio Castro em selfie de boa noite, para  Vovó Iane. 
Ele diz: ‘ beiju no colação. Cuidado. Te amo!
Respondo-lhe ‘ te amo no coração’
GRACIAS  por essa bênçãos em minha vida!
Obrigada!!"
Irane Castro
Beco da Preta.
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão
!"

"....viageira de palavras!!"

Pretiando assim:
 "......por cá, o que me é devida  rendição silenciosa,  de  viageira do mundo das palavras!".
Irane Castro
Beco da Preta.
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão


"meus dom-quixotes!"

".... fico a esmagar ideias, a devorar  informações quase tanto quanto desejo saborear  letras, palavras, parágrafos e páginas da comilança do saltério  'Dom Quixote,  Miguel de Cervantes'.
Outra releitura   numa tradução  e adaptação    de Walcyr Carrasco que assevera que  'o mundo precisa de seus dom-quixotes, para ter esperanças de se tornar um lugar mais generoso para todos'.
Tão-só Quixotesca prelação que abarquei no meu jeitinho Irane de ser- maluquete e irreverente    que tece constantes sonhos em atividades reais. 
Inda, constituo-me numa Dom Quixote de saia,  que convive  século XXI,  com a cabeça  n'outras orbe -  de preferência  literária de períodos anteriores -juntada ao agora numa  formatação em vontades, de construto em  mim,  dum mundo melhor.
Largo-me Quixoteando o desesperançar em ações rotineira de  ser/estar gente e  pelejante para assentar ainda, o que tem melhor de  mim.
Em tão alto grau,  continuo TÃO EU, TÃO MALUCA_LOUCA e TÃO INCONFUNDÍVEL viajadora de versos e praticante de   recriações, reinvenções e rehistorições do agora. Coisitas em detalhe único, de minha marca pessoal da qual decompõe o NADA em TUDO de viver um dia de cada vez, a partir do  meu mundinho infinitamente particular de aplaudir vida, em vida e pela vida – no meu hoje!”
Irane Castro
Beco da Preta.
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão

"... Tambor de Crioula, poesia dançante

Pretiando assim:
“... Coreiras  do Tambor de Crioulas  alimentando o ritual em  séculos de poesia dançante no ritmo do  fogo de mão e  paixão. 
Pura verbalização negroide  da  minha história  e  da Ilha São Luís do Maranhão.”
Irane Castro
Beco da Preta
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão

".... sou leituras em mim!!!"

Pretiando assim:
“... Nesta ocasião por meio de ‘ a menina que não sabia ler’ (de John Harding) no instante confinei na  época  de 1891, Nova Inglaterra. Escolhi o averiguamento de pequeno-grande  detalhes da história incrível sobre uma menina e o poder de sua imaginação.
Viajadora do orbe  pelos olhos da leitura reservado a mim, desde a infância, como  casco de proteção 'sou   leitura  em mim'.  Tal modo, que a jovem Florence cuidei de meus irmãos  e sobrevim  a catadora de   muitas respostas – sejam elas inventadas ou não. E, principalmente soluções  nem sempre fácies  de ser encontrada, antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário.
Deste modo,  na fase adulta  tornei-me  sobrevivente de mim, onde  lia  tudo que julgasse interessante, conquistar  o que acho que é necessário esmagar/ devorar quase tanto quanto desejo saborear em palavras.
Nessa incondicional  rendição silenciosa para despir minha alma,  reinventar meu mundinho infinitamente particular numa vivência de conformidade dum coração inteiro em 53 anos de vida. Ainda,  supondo que tenho direito desse gosto simples a favor de uma fraqueza constante, do mundo dos como presente para sorrir vida, com vida e pela vida no meu hoje – no agora, pra já, imediatamente!”
Irane Castro
Beco da Preta
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão


"....és vida, no meu hoje!!!"

Pretiando assim:
“....em falação  comigo’s recordando  o quão  saio embrulhando  lágrimas em amplos  sorrisos. Façanha para a não transparência dos emperramentos, esboçados pelo destino que por distintas vezes, aventurou  impelir-me para o poço da desesperança.
Em tão alto grau de sobe/desce, cai/levanta  em meio a   pequenos-grandes problemas sem aparente solução, sem chão, sem teto, sem perspectiva  e numa visão de  sem amanhã.
Não nomeei esses achaques. Apenas, clemência pela cincada que assumi, paguei caríssimo, padeci horrores, estreitei aversões e dilatei pânicos:
- Acalentando machucados;
_ Amaciando dores;
- apavorando por nada;
_ Angustiando tudo;
_ Excesso de afastamentos;
_ Exagero de rejeição;
_ Acumulamento de medos;
_ Ridicularizada por muitos
_ Eliminação do convívio;
_ Enxotada do meio;
_ Ausência de acostumamentos.
Afinal,  muita sofrência.
Apesar dos pesares, o que não me possibilitou o fundo do poço foram  a magia das leituras, apossamento de palavras, rabisco de um mundinho infinitamente particular de esperançar existência. 
Com tanta frequência que  estava lendo um livro em determinado local, ALGUÉM se aproxima, diz em tom harmonioso (a), sincero (a) e incentivador (a) a seguinte prelação  ‘recrie motivos de vida, dentro de ti’  para superação do amedrontamento  do mundo.
Refleti que esse abençoado  palavreamento puxaria o ensurdecimento da ladainha de ‘DOIDA’, ‘PODI’, ‘se afaste daqui’, repugnância, muitos NÃO, deboches  e  negatividade dentre tantas maledicências, que propunha um desmoronamento de  morta TOTAL.
Chorei, pelo enterramento daquela múmia que era.
Agradeci, a penúria vivente.
Tão-só usei, abusei e reescrevinhei esse auxílio divino, para o ‘recrio mais um hoje’s, em mim!’ para o sempre desprender-me dessas nebulosas circunstâncias, quando só:
_ Bebi ânimo.
_ Embriaguei-me de vontades.
_ Maluquei-me de  coragem.
_ Loucurei-me de audácia;
_ Mirabolei-me de atrevimento
_ Regrei aspirações;
_ Optei  recomeços;
_ Nomeei contentamentos;
­_ Alcunhei esperanças;
_ Habitei fé;
_ Plantei mutações;
_ Colhi devassidão;
_ Semeei desejos;
_ Aplaudi  vivência;
_ Aclamei um dia, de cada vez.
Tanto que, despertando do pesadelo, corri de sonhos para uma praticidade na medida entre a distância, o vagar dos  passos e o prosseguimento d’outros caminhares -  deixando  para trás, o que não acrescentava positividade. Exclusivamente, procriei o  reinventar-me em guerreira do instante, numa imperativa   alongação  das marchas para desmudança de permanências em transformações, no eu de mim.
Zilhões de  labuta.
Ah, quantas lapidações de detalhes reinfeitei para o  incremento acentuadas do ser/estar gente. Coisitas únicas que resgatei e, fiz renascimento  do meu jeitinho Irane de ser – maluquete. Agora,  vistorio como o PRECONCEITO desabilita em desigualdades e coo tal afronta deixou-me cicatrizes para o sempre. Mesmo assim, arrisco-me na extinção de  amargurada e negativa  faceta da dessemelhança, perante a unicidade do ser humano no planeta Terra.
Sei que apenas, dissemino  meu batalhante num autorretrato para que me veja  não somente fugida  das próprias inquietações, mas, ao mesmo, tempo em minha imutável expressão de calma e, distanciamento dos que os outros pensam  sobre  o que faço/digo/penso/ajo para embaçar as muitas (in) diferenças compassivas.
Afronto como prioritária  morada do RESPEITO dentro de mim para com o outro. Contudo, nesse prosseguimento esbanjo o TÃO EU, TÃO MALUCA  e TÃO INCONFUNDÍVEL, pois, escolhi meus caminhos em vida, com vida e pela vida no meu hoje _ imediatamente, pra já e logo!
Irane Castro
Beco da Preta
In: 29/06/2015
Sexta-feira, 30/06/15
São Luís_ Maranhão

domingo, 28 de junho de 2015

"... detalhe do eu!"

Pretiando assim:
"... detalhe é o:
_ único;
_pessoal;
_individual;
As vezes, pode ser NADA. Ou simplesmente, TUDO.
Em mim, marcas do jeitinho Irane  de ser - maluquete e irreverente Tão Eu, Tão MALUCA e tão inconfundível no reescrevinhamento d’outros caminhares que florejo um dia de  cada vez, ainda no meu hoje – imediatamente!”
Irane Castro
Beco da Preta
Terça-Feira, 30/06/2015
São Luís_ Maranhão



sábado, 27 de junho de 2015

"... mais um dia em hoje's!"

“... apetecido  Michael Jackson parece que foi ontem a partida sem despedia e volta.  Prontamente, seis anos de ausência  real. Ah, revendo um musical outra vez, notei o   quanto:
__Mirava as notas musicais
__Delineava  ritmo  ao pensar poético;
__Esperava a melodia apaixonar o corpo;
__Cobiçava  entendimento do som;
__Ampliava a magia dançada;
__ Requeria as luzes devagar pra ti.
Pequeno-grandes detalhes que serão eternamente a trajetória artística num  dom de cantar e encantar para todo o sempre.
É único.
Lá longe o brilho de estrela, simplesmente reflete essa exuberante luz própria pelo caminhares que reinventaste.
E você,  em meio à  poesias e  a letra de ‘um dia em sua vida (one Day in your life)’, que se devem semear flores, colher frutos e deixar marcas por onde passares.
Linda mensagem que traduz montão de coisitas sobrescrito pelo belo canto.
Por cá, escrevinhando  timidamente sobre essa mágica palavra. Tomei liberdade, troquei, mas, precisamente,  em sua para em minha  numa conotação que explica como sou abusada.
Sei a necessidade de sobrevivência perante altos e baixos que o destino me achocalhou. Para enfrentamento uni  jeitinho Irane de ser-maluquete e irreverente que reconstruiu  universo infinitamente particular de estar gente.
De contínuos  lágrimas em belos sorrisos para o vencimento de um dia de cada vez.
Tão somente, que ainda vale à pena cultuamento do amor, fé, esperanças.
Mais motivos de escrever outro capítulo da história  do TUDO e, florejar até o NADA  em vida, com vida e pela vida - Imediatamente, agora e pra já – em hoje’s!”
Irane Castro
Beco da Preta
Sábado, 27.06.2015
São Luís- Maranhão

"....sou gente abusada"

Pretiando assim:
"Conversarias do comigo com comigo, que sozinha dentro do eu de mim:
_sou briguenta  por detalhes do agora;
_sou florejamento do instante;
_ sou reinvenção do TUDO de cada dia;
_  sou fé no NADA do meu hoje;
_ sou o que diz o que pensa logo;
_ sou palavras na lata no segundo;
_sou tristezas em largas gargalhadas;
-sou deboche para o que vier;
_sou paciência quando convêm;
_ sou abusada demais.
Tão somente, o jeitinho Irane de ser – maluquete e irreverente de caminhares dia. Sou EU  amando em vida, sorrindo com vida e aplaudindo pela vida aqui, ali e acolá!"
Irane Castro
Beco da Preta.
Sábado, 27-06-2015
São Luís- Maranhão


sexta-feira, 26 de junho de 2015

".... criola, criola!!"

Pretiando assim:
"...cá em mim,  rabiscando a paixão cultural  tão bem retratada pela interpretação de  Alcione   que diz  'quem ainda não viu. Tambor de criola do Maranhão? Afinado a fogo tocado a murro. Dançado a coice e chão?  Criola. Criola. (...)'
Exuberante herança que corre em minhas veias  ludovicense  numa  imensidão de lindas melodias afinadas por  tambores, pungada, coreiro de mão, cachaça, suor, saia rodada,  corpos femininos, ritmo masculino,  afinado fogo e tambores de mão.
És o Patrimônio Imaterial.  O  18 de Junho é o seu dia aqui na minha terrinha.
Tão somente, grandiosa  dança-poema  ritmada, dançada, cantada,  cultuada e contando a historicidade afrodescendente que explode o rufante a batizante do suor, ginga, sensualidade e alegrias.”
Irane Castro
Beco da Preta
In: 18.06.15
Fotografria de Leonardo Mendonça
Sexta-feira, 26.06.2015
São Luís- Maranhão



sexta-feira, 19 de junho de 2015

"...versando Gordictes!"

Pretiando assim:
"Pequeno deslize que sobrevieste com as preocupações, excesso de tarefas e prazos a serem desempenhados.  Fase massacrável  que imperou  perante a semana de uma formação continuada emendada a de avaliações escolares, correções, preenchimento de cadernetas e  aulas de projeto.
Ao mesmo tempo,  nos intervalos pequenas ações de limpeza da papelada acumulada  pelo longo semestre. Tanto que, somatizou cansaço estremo e muitas vezes deixei espaço para a preguiça e, cerrando  exercícios físicos mínimo do mínimo.
A operação do instante sendo o estiramento  das 24 horas para 25,26,27..... e no outro dia a repetição. Resultando na omissão de remelexo do corpanzil.
Vacilei.
Aí Senhora Gordictes,  massacrou-me em uns quilinhos a mais.Apavorei quando a balança comprovou essa nova invasão.
Adverti-me que deve a boca continuar fechada. Além disso, que o tempo sentada ouvindo-trabalhando-estudando sem movimentos corporeos é péssimo para  minha velhice que pesa  com facilidade, aprazou que  ‘ela’ impetrasse a batalha. Posteriormente em conversaria  comigo mesma:
_ Chorei raiva;
_ Esperneei  moleza;
_ Sacudi  tristeza;
_ Surpreendi  vontades.
 Simplesmente, o meu sobe/desce de gorduras prejudica minha saúde (idade, pressão alta).  Como sou APAIXONADA pelo eu de mim. Jogo-me em experiências para a constante  diminuição dos pneuzinhos.  Senão continuaria GORDINHA LINDA, sempre.
Abro parêntese  para uma recalcada que diz que   'Pluz Size deve ser chamada de obesa’ digo-te vai te laskar.  Se  o EU sente bem, o que o outro pensa a respeito não diz nada. Vale o caráter, o respeito e marcas individuais, aqui, ali e acolá.
Vou-me versando as gordurinhas minhas e  reiniciei a rotina de treinos.  Sei que a batalha perdida em semanas. NADA demais. O TUDO me espera
O prélio continua  com pedaladas, pedaladas...
Brindes a motivos de outros  catamentos da vida, com vida e em vida no meu hoje - imediatamente.
Inté."
Irane Castro
Beco da Preta
Sexta-feira, 19-06-2015
São Luís- Maranhão

quinta-feira, 18 de junho de 2015

"...nuvens poéticas!"

Pretiando assim:
"... valendo as  abençoadas nuvens poéticas do agora, no meu hoje!!"
Irane Castro
Beco da Preta
Quinta-feira, 18/06/2015
São Luís- Maranhão

domingo, 14 de junho de 2015

"...paz, bem em mim!"

Pretiando assim:
"... amor, paz, bem e fé sejam construtores do eu de mim!"
Irane Castro
Beco da Preta
Domingo, 14-06-15
São Luís- Maranhão

".. alimentando silêncios!"

Pretiando assim:
“....alimentando silêncios no revigoramento d’outros  caminhares de vida, com vida e em vida  amanhã, no meu hoje!”
Irane Castro
Beco da Preta
Domingo, 14-06-15
São Luís- Maranhão


".. ovação as nuvens!!

" ... Sou a apaixonada   por imagens.
Desde que  meus sobrinhos começaram a estudar fotografia participo de um grupo junto com eles.   Tal feita,  de vários concursos, o de agora é semanal e por temas – dessa vez, nuvens.
Diante  de tantas belezuras e para  galerosa  participante  NÃO dizer que puxo saco para os parentes, igualmente utilizo dos  demais fotógrafos (as).  Consecutivamente   solicito consentimento para o titular, adicionando   meu hobby  poesia  de’ autores que admiro’, as vezes as minhas  que escrevinho e alento  a participação nas redes sociais.
 Ai na segunda-feira (08.06), postei  essa bela imagem, pus uma frase e  recebeu várias curtidas.  O susto foi tamanho quando no final da manhã observo   a coisita  escrita que deixou-me perplexa  sobre  a falta de respeito e, como um desorientado   perde tempo  cuidando da  vida alheia - no caso em questão, a minha.
 Choquei.
Meramente,  esculachada,  baboseiras bestas’ e a mais tenebrosa das pérolas ‘somente Deus para ter piedade da minha alma pecadora’. Quando li a mensagem no ímpeto da raiva apaguei.  A pessoa repetiu e aumentou as abobrinhas. Calmamente, apaguei tudo.
Paralisei por minutos.
 Fiquei arrazoando  quem é TU?  Essa pessoa não faz parte do rol de adicionados?
Depois sem pensar reagi. Abusei do meu jeitinho saliente, crítica,  debochada  e educadamente   entrei  na rede social do dito cujo (in boxe) perguntei-lhe  ‘você me conhece?’,  ‘ Pq ta me esculhambando?’  ‘Desde quando tenho que lhe prestar explicações do que faço ou deixo de fazer,  dentre tantas mais indagações e  indignações.
 A pessoa disfarçou, saiu pela tangente e por último soltou essa ‘que tinha postado no local errado’. Disse-lhe, ou  melhor, escrevi assim:
_  Será que enxerga bem?
_ No meu espaço escrevo e posto o que eu quiser.
_  Não tenho religião. Vivo fé e acredito no que me convêm. 
_ Aprendi e coloco em prática que TODOS merecem respeito.
_ Vejo ainda, que opção sexual, é de cada um;
_ O que importa é o caráter.
_  Nem você nem ninguém interfere no que penso, faço e aplaudo.
A pessoa ficou blasfemando. Na raiva disse ‘vai te lascar’ não sou hipócrita nem tão pouco gosto de pessoas nojentas,  falsas moralistas, pregam mentiras e entram sem permissão no espaço alheio.
Continuou proferindo MERDA. Saí de mansinho.  Bloqueei.
Gente quanta ignorância?
Quanta falta de educação?
 Quanta perda de tempo com  visões negativas sob o que outro é.
Boba  essa aberração, né. Apenas, rematei que  têm detalhes que opto  em não ligar, levantar controvérsias.   passou batido....  batido.
 Nunca existiu, então PARTIU esse abestado!
Esclarecendo a curiosidade sobre a  bela paisagem, direitos autorais pertencentes a Valéria Ferreira,   quando entrou na Ilha de São Luís do Maranhão  (amanhecer de segunda), mas precisamente na BR-35 entrecortada de altos/baixos e  barrancos.  A árvore  em cima pontua as nuvens em distância  em relação  do local que foi tirada.
Pura e magnifica  ovação as nuvens.
 Mais tarde, repensando a incrível situação de  como ainda,  o PRECONCEITO é gigante. Em conversaria com meus botões  fiquei me perguntando:
_ a loucura-louca dessa cabeça doente   dizendo aberrações, pois dizia que fiz  apologia a imagem de crucificação do desfile LGBT São Paulo.
_ Será que pensava que sou sapatão?
 Não me interessa o que pensa. Não sou homossexual. E se fosse  qual a situação- problema para você. Digo-lhe, Nenhuma.  Nada de mais até aí.
Tenho amigos e  conhecidos que admiro/ considero/aprecio a pessoa que é. O que ELES (AS)  querem comer ou por quem  serão  comidos é assunto deles.
Carolho, meu cotidiano repleto de assuntos, tarefas e ações rotineiras. Muitas sem respostas e ainda, muito  para ser discutido, resolvido e  nada sendo feito.
 PQP.....
 Enfim, nem me manifestei,    sem medo de expor  opiniões e tão pouco esconder o que defendo. Para mim, se esse  NINGUÉM queria causar, morreu na obscuridade. Somente penso que às vezes o  SILÊNCIO é a mais dolorosa das respostas.
O que acham sobre a minha pessoa, Tô nem aí. Não estou perdida.
A muito me encontrei, cavoquei dores em sorrisos, enterrei desanimo e planto vontades de cicatrizar as   feridas que o destino  me apresenta aqui, ali e acolá.
A minha vida me pertence.
Quero apenas, caminhares em fé, alegria, paz e bem com amigos, familiares, meu coração-amor com vida, na vida e em vida  no meu hoje!"
Irane Castro
Beco da Preta
Domingo, 14-06-15
São Luís- Maranhão

Eu gosto do impossível,
tenho medo do provável,
dou risada do ridículo e choro porque tenho vontade,
mas nem sempre tenho motivo.
Tenho um sorriso confiante que as vezes não demonstra o tanto de insegurança por trás dele.

Sou inconstante e talvez imprevisível.
Não gosto de rotina.

Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso,
e me irrito de forma inexplicável quando não botam fé nas minhas palavras.
Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo.
São poucas as pessoas pra quem eu me explico...

Bob Marley